Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

Justiça Quinta-feira, 13 de Junho de 2024, 10:49 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 13 de Junho de 2024, 10h:49 - A | A

SITIARAM CIDADE

Integrante de bando que aterrorizou Confresa é condenado a 54 anos de prisão

Crime aconteceu no dia 9 de abril de 2023, quando mais de 20 criminosos sitiaram a cidade de Confresa

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Isaias Pereira da Silva, acusado de participar do atentado em Confresa (1.050 km de Cuiabá), foi condenado a 54 anos de prisão. A sentença foi assinada nesta quarta-feira (12) pelo juiz João Filho de Almeida Portela. Isaias foi condenado pelos crimes de organização criminosa, roubo, dano e incêndio. 

O crime aconteceu no dia 9 de abril de 2023, quando mais de 20 criminosos sitiaram a cidade de Confresa. A intenção do bando ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC) era arrombar um cofre de uma transportadora com a expectativa de embolsar R$ 40 milhões. 

LEIA MAIS: "Perna" do PCC é condenado a 27 anos de prisão por fornecer apoio logístico a invasores de Confresa

Durante a ação criminosa, os bandidos invadiram o quartel da PM, atiraram contra um carro do Corpo de Bombeiros Militar e espalharam terror entre os moradores da cidade.

Segundo a Polícia Civil, o bando investiu cerca de R$ 3 milhões na compra de armas e artefatos e na logística para roubar a transportadora de valores Brinks. Na fuga, os bandidos saíram da cidade em embarcações roubadas de uma tribo indígena localizada na região e se embrenharam na mata por dias, na cidade de Pium, no Tocantins.

O crime, que ganhou repercussão nacional, mobilizou as forças de Segurança Pública dos estados de Mato Grosso, Pará, Goiás, Minas Gerais e Tocantins.

Isaías, que participou diretamente do crime, foi surpreendido em flagrante durante a caçada, no Tocantins, enquanto mantinha duas vítimas em cárcere privado. Ao definir a sentença, o juiz João Filho de Almeida Portela também manteve a prisão preventiva do integrante do bando.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros