Terça-feira, 28 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,62
libra R$ 5,62

Justiça Sexta-feira, 23 de Setembro de 2016, 15:59 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 23 de Setembro de 2016, 15h:59 - A | A

OPERAÇÃO RÊMORA

CGE inclui mais uma construtora na lista de investigadas em fraudes de licitações

JESSICA BACHEGA

A Controladoria Geral do Estado (CGE) abriu um Processo Administrativo de Responsabilização para apurar possíveis irregularidades cometidas pela empresa Tirante Construtora e Consultoria LTDA, representadas pelos sócios Alan Marcel de Barros e Alyson Jean Barros, em seu contrato com o Estado. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

marco marrafon

 

A abertura do procedimento foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) que circula nesta sexta-feira (23), conforme portaria assinada pelo Ciro Rodolpho Gonçalves, Controlador-Geral do Estado e pelo secretário de Educação, Marco Marrafon.

 

A empresa foi juntada a lista construtoras que também são investigadas por supostas irregularidades  em licitações junto a Secretaria de Educação (Seduc) para a reforma e construção de escolas investigadas também pelo Ministério Público Estadual (MPE) na Operação Rêmora.

 

A primeira lista de empresas a serem alvos de apuração foi divulgada no mês de maio, logo após deflagrada a operação.

 

De acordo com o MPE, a organização criminosa investigada na fraude de licitações era dividida por três núcleos e tinha o envolvimento de agentes públicos e de empresários. Os agentes públicos envolvidos são Fábio Frigeri, Wander Luiz dos Reis e Moises Dias da Silva e o ex-secretário de Educação, Permínio Pinto.

 

Já o núcleo de operações contava com a participação de Luiz Fernando Costa Rondon, Leonardo Guimarães Rodrigues e Giovane Guizardi. Este último preso desde maio passado.

 

Já o núcleo de empresários, que se originou da evolução de um cartel formado pelas empresas do ramo da construção civil, se caracterizava pela organização e coesão de seus membros. Com isso, evitava integralmente a competição entre as empresas de forma que todas pudessem ser beneficiadas pelo acordo. 23 empresas são citadas na investigação.

 

Com a investigação das possíveis fraudes, todas as obras foram paradas e os contratos suspensos. Quatro meses após o início da apuração, as construções seguem paradas com previsão de lançamento de edital para contratação nova de empreiteiras em outubro.

 

Lista de empresas investigadas:

AMPLA ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA EPP

ANAMIL CONSTRUÇÕES LTDA. EPP

APICE CONSTRUTORA INCORPORADORA E IMOBILIÁRIA EIRELI

APOLUS ENGENHARIA LTDA. EPP

AROEIRA CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES E VENDAS LTDA

CONSTRUTORA E LOCADORA DUARTE EIRELI – EPP

CONSTRUTORA JURUENA LTDA

CONSTRUTORA PANAMERICANA EIRELI ME

CONSTRUTORA ROCHA LTDA

DÍNAMO CONSTRUTORA LTDA

ESTEIO CONSTRUÇÕES EIRELI

E-TAG CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. EPP

GEOTOP CONSTRUÇÕES E TERRAPLENAGEM LTDA

INSAAT CONSTRUTORA LTDA. – ME

JER ENGENHARIA ELÉTRICA E CIVIL LTDA. – EPP

LAJE ENGENHARIA E PAVIMENTAÇÃO LTDA

LUMA CONSTRUTORA LTDA. – EPP

POLI ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA

SANEPAVI SANEAMENTO E PAVIMENTAÇÃO EIRELI – EPP

SANTA INÊS CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. – ME

SÃO BENEDITO CONSTRUÇÕES CIVIL LTDA. – ME

TRAÇO ARQUITETURA LTDA. - ME

TIRANTE CONSTRUTORA E CONSULTORIA LTDA

 

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros