Economia Quinta-feira, 04 de Agosto de 2011, 11:51 - A | A

Quinta-feira, 04 de Agosto de 2011, 11h:51 - A | A

QUEDA

Tensão externa faz Bovespa operar em baixa de mais de 4%

No mercado americano, as bolsas chegaram a perder mais de 1%, mas conseguiram inverter o rumo de forma definitiva ao fim da sessão

PORTAL G1

O nervosismo que tem abalado os mercados globais volta com força nesta quinta-feira (4). Investidores seguem com uma postura defensiva, diante das incertezas com relação ao enfraquecimento da economia dos Estados Unidos e do medo de uma nova recessão.

Depois de recuar 2,25% na véspera, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda nesta quinta-feira (4). Às 11h27 o Ibovespa caía 4,22%, aos 53.653 pontos. As preocupações ganharam força desde que o governo americano aumentou o limite para seu endividamento. A perspectiva de que a maior economia mundial terá que conter de forma representativa seus gastos e, desta forma, abalar a já abalada situação financeira do próprio país e das demais economias está assustando os mercados.

A crise européia ainda reforça o cenário de cautela, diante da contaminação para novos países de maior peso na região, como Itália e Espanha. Na quarta-feira (3), em um momento de pânico dos agentes, o Ibovespa chegou a perder 3,6% na mínima do dia. As perdas foram amenizadas ao longo do pregão, mas, ainda assim, o índice encerrou com desvalorização de 2,25%, aos 56.017 pontos, menor patamar desde 3 setembro de 2009.

Foi a terceira queda seguida da Bolsa, período que conta com baixa de 4,8%. No ano, o índice já acumula perda de 19,2%. No mercado americano, as bolsas chegaram a perder mais de 1%, mas conseguiram inverter o rumo de forma definitiva ao fim da sessão. Após oito baixas seguidas, o índice Dow Jones subiu 0,25%. Já o Nasdaq avançou 0,89% e o S&P 500 ganhou 0,50%.

Único indicador da agenda dos EUA, o número de pedidos de seguro-desemprego recuou para 400 mil na semana terminada em 30 de julho, de acordo com o Departamento de Trabalho. Foram mil a menos que os 401 mil pedidos efetuados na semana imediatamente anterior. Economistas esperavam aumento em torno de 7 mil pedidos.

Na Europa, o Banco Central Europeu (BCE) deixou inalterada a taxa de juro da zona do euro em 1,50%. O Banco da Inglaterra também manteve a taxa de juro em 0,5% ao ano.

Na Ásia, as autoridades monetárias atuaram no mercado de câmbio para conter a valorização do iene frente ao dólar. A intervenção foi a primeira em quase cinco meses. O governo japonês e o banco central do país venderam ienes e compraram dólares.

No encontro realizado nesta quinta-feira, a autoridade monetária decidiu manter a taxa de juro ao redor de zero a 0,1%. Também definiu aumentar o tamanho total do programa de compra de ativos em cerca de 10 trilhões de ienes, para 50 trilhões de ienes.

No front corporativo nacional, o destaque do dia recai sobre os números trimestrais da Gerdau e da Lojas Marisa.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros