Quarta-Feira, 22 de Janeiro de 2020, 14h:44

Tamanho do texto A - A+

Ser sustentável na moda

Por: PRI PREVIATTO

Divulgação

Pri Previato_capa


Estamos vivendo uma nova década na qual as visões de necessidade estão naturalmente se alterando. As novas gerações estão nascendo  com uma ideia de sociedade e respeito ao planeta completamente diferenciada daquilo que estamos acostumados. Que bom!

A sustentabilidade tem sido uma das principais vertentes dessa transformação, pois trata-se de uma questão urgente. O que você pretende deixar para seus netos? Por que é tão comum se preocupar com bens materiais e deixar de pensar que eles precisam de um planeta saudável para viver?

Hoje, em maioria, praticamos uma economia linear, na qual a cadeia produtiva, em suma, é: extrair da natureza, produzir, comprar/vender, utilizar e descartar. Estamos evoluindo para a economia de reciclagem, aquela em que antes do descarte pratica-se a reciclagem e a reutilização, o que já melhora muito, porém, ainda estamos jogando muita coisa “fora”, sendo que, se pararmos para refletir, não existe fora e, em um futuro não tão distante perceberemos que estamos enchendo nossa casa de lixo.

Que tal começarmos a fomentar uma economia circular, aquela na qual “o sistema industrial deve ser restaurativo ou regenerativo por princípio” (@boas_atitudes).

E onde a moda se encontra com tudo isso? Nas palavras de @chiaragadaleta, embaixadora ONU Pacto Global: “Vamos mudar a moda para que ela possa mudar o mundo”. A moda com seu poder transformador pode ser uma grande ferramenta para a mudança da economia utilizada no planeta. Vamos praticar uma moda que represente o ideal de sustentabilidade, onde valoriza-se as marcas que respeitam a cadeia produtiva, que utilizam matérias primas orgânicas, que trabalham para a diminuição da poluição em nossas águas e pratica qualidade ao invés de quantidade.

Como posso fomentar essa prática? Comprando em brechós, trocando com as amigas, alugando, transformando peças através do upcycling e valorizando quem valoriza o planeta.

Outra ferramenta, que já falei sobre ela aqui indiretamente, é o planejamento. Quando compramos peças têxtis, inúmeras vezes compramos por achar bonito, por estar em promoção, por estar na moda. Fazemos isso sem pensar se aquela peça faz sentido para mim, se harmoniza com o que já tenho no guarda roupa, se me representa, se usarei várias vezes ou apenas em uma ocasião, se é duradoura.  Esse, com toda certeza, é o primeiro passo a ser tomado quando se decide mudar o mundo através da moda.

Essas são ferramentas poderosas de transformação, pois quando falamos em moda/tendência, estamos nos referindo a algo que norteia a produção e assim, através da nossa maneira de consumir ditaremos a maneira de produção. Nossas escolhas dizem muito sobre nós, e na hora do vestir não é diferente. Finalizo com uma frase dita pela atriz Emma Watson para refletirmos a respeito: “Ser uma peça bonita não é mais suficiente. Eu quero saber quem fez e de onde veio a roupa que estou usando”.

 

(*) PRI PREVIATO é Consultora de Estilo e Imagem e escreve para HiperNoticias às quartas-feiras. Instagram: priscila.previato – Facebook: pripreviato

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei







Mais Comentadas