Artigos Sábado, 18 de Junho de 2011, 23:35 - A | A

Sábado, 18 de Junho de 2011, 23h:35 - A | A

Preço de uma cantada

Em Nova York, o preço de uma cantada, gracinha ou toque inapropriado em uma camareira de hotel cinco estrelas, geralmente termina com polícia, cadeia, fiança, e perda do cargo do agressor.

GABRIEL NOVIS NEVES

 

divulgação

 

Em Nova York, o preço de uma cantada, gracinha ou toque inapropriado em uma camareira de hotel cinco estrelas, geralmente termina com polícia, cadeia, fiança, e perda do cargo do agressor.

Segundo pesquisas, os casos de estupro são raros. O mais comum é o assédio.

As camareiras desses hotéis de luxo, para se protegerem desses aborrecimentos, usarão daqui prá frente, dispositivos eletrônicos chamados de “botões de pânico,” que podem ser acionados imediatamente.

Se a moda pegar nos hotéis, seria bom fazer uma experiência com esses botões em órgãos públicos e privados daqui, como teste de eficiência.

Logo, logo, a bancada evangélica apresentará no Congresso Nacional um anteprojeto autorizando o Executivo a criar o Ministério dos Botões de Pânico.

Acho difícil a sua aprovação, embora fosse uma oportunidade rara da participação do Brasil em um programa de moralização internacional.

Os hotéis das cidades-sede da Copa 2014 seriam ideais para esse tipo de experiência.

Seria mais uma conquista da ex-Cidade Verde, das antigas calçadas - salas de visitas.

Único problema que me preocupa: o instrumento é eletrônico, e a nossa capital passa por dificuldades quando utilizamos os nossos equipamentos eletrônicos.

O sinal da Internet, por exemplo, é considerado prêmio de loteria. Fica tanto tempo ausente, que muita gente está fazendo gambiarras para, com dificuldade, tentar conseguir o sinal salvador.

O celular então, nem se fala, porque não fala mesmo.

Aqui, quando os botões produzirem o alarme, provavelmente o infrator já estará em Paris despachando nos escritórios do FMI.

Agora, cá pra nós - tá um absurdo o preço de uma cantada em Nova York. O ex-Diretor do FMI pagou, só de fiança, um milhão de dólares, e ainda perdeu o emprego.

(*) GABRIEL NOVIS NEVES é médico, professor universitário e colaborador e Hipernoticias. E-mail: borbon@terra.com.br

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros