Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Variedades Segunda-feira, 08 de Agosto de 2022, 09:57 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 08 de Agosto de 2022, 09h:57 - A | A

MÃE FOI QUEIMADA VIVA

As jovens que escreveram carta com sangue e condenaram pai à prisão perpétua

BBC

Seis anos depois que uma adolescente da Índia escreveu uma carta com seu próprio sangue pedindo justiça para sua mãe que foi queimada viva, o assassino foi punido.

Com base nos relatos de testemunhas oculares de Latika Bansal - agora com 21 anos - e sua irmã mais nova, um tribunal enviou o pai delas, Manoj Bansal, para a prisão perpétua.

As meninas disseram ao tribunal que o pai costumava bater na mãe por "não dar à luz um filho".

LEIA MAIS: Três corpos são encontrados em lago nos Estados Unidos

Bansal negou as acusações e disse que sua esposa se suicidou.

Na decisão tomada no fim de julho, o tribunal da cidade de Bulandshahr, no estado de Uttar Pradesh, no norte do país, concordou que Bansal era culpado de matar sua esposa por "não dar à luz um filho".

A preferência da Índia por meninos está enraizada em uma crença cultural amplamente difundida de que um filho do sexo masculino levaria adiante o legado da família e cuidaria dos pais na velhice, enquanto as filhas lhes custariam dotes e os deixariam ao ir para os lares de seus maridos.

Ativistas atribuem a esta crença práticas como a negligência e maus tratos de meninas, além da proporção sexual dramaticamente distorcida da Índia - causada pela eliminação de dezenas de milhões de fetos femininos por meio de abortos seletivos de sexo, conhecidos como feticídio feminino.

Durante o julgamento, as irmãs Bansal contaram no tribunal como cresceram vendo seu pai e a família dele muitas vezes insultarem e agredirem sua mãe, Anu Bansal, por dar à luz apenas filhas.

O tribunal também ouviu que Anu foi forçada a se submeter a seis abortos depois que testes ilegais de identificação de sexo mostraram que ela estava grávida de menina.

A irmã disse que sua vida mudou na manhã de 14 de junho de 2016, quando seu pai - supostamente apoiado por familiares que negam as acusações contra eles - encharcou sua mãe com querosene e colocou fogo.

"Às 6h30, fomos acordadas pelos gritos de nossa mãe. Não pudemos ajudá-la porque a porta do nosso quarto estava trancada do lado de fora. Nós a vimos queimar", disseram as meninas em seu depoimento no julgamento.

Latika disse que depois que suas ligações para a polícia local e os serviços de ambulância foram ignoradas, elas ligaram para o tio materno e a avó, que chegaram rapidamente e levaram a mãe ao hospital.

De acordo com os médicos que a trataram, Anu Bansal teve 80% de seu corpo queimado. Ela morreu alguns dias depois no hospital.

O caso veio à tona somente depois que as meninas - na época com 15 e 11 anos - escreveram uma carta com seu próprio sangue ao então ministro Akhilesh Yadav, acusando a polícia local de mudar a classificação do caso de assassinato para suicídio.

O investigador da polícia local foi então suspenso por não fazer uma investigação adequada e Yadav ordenou que a polícia e funcionários da administração supervisionassem o caso.

"Levamos seis anos, um mês e 13 dias para finalmente conseguir justiça", disse Sanjay Sharma, advogado que representou as irmãs no tribunal, à BBC.

"Este é um caso raro de filhas que abrem um processo contra o próprio pai e finalmente obtêm justiça", disse ele, acrescentando que, nos últimos seis anos, as meninas compareceram ao tribunal "mais de 100 vezes" e "nunca perderam um único encontro".

Sharma acrescentou que não cobrou nenhum dinheiro da família porque eles eram financeiramente vulneráveis e também porque ele queria chamar a atenção para uma questão social.

"Isso não é apenas o assassinato de uma mulher. É um crime contra a sociedade", ele disse. "Não está nas mãos de uma mulher decidir o sexo de uma criança, então por que ela deveria ser torturada e punida? Isso é mau."

FONTE: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62456055

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram. 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros