Segunda-feira, 22 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,60
euro R$ 6,10
libra R$ 6,10

Política Terça-feira, 26 de Julho de 2022, 15:56 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 26 de Julho de 2022, 15h:56 - A | A

ELEIÇÕES 2022

Jayme defende possibilidade de Mauro ter palanque aberto à Presidência

Governador negou nesta segunda-feira (25) abrir palanque aos presidenciáveis e reforçou apoio a Bolsonaro

ALEXANDRA LOPES
Da Redação

O senador Jayme Campos (UB) deu declaração destoando da afirmação do governador Mauro Mendes (UB), que negou qualquer possibilidade de “palanque aberto” para os candidatos à Presidência da República. Jayme, na manhã desta terça-feira (26), colocou que Mauro começou a defender a tese após o candidato ao governo do Amapá, Clécio Alves (SD), conseguir apoio do PL e PT no estado.

Ocorre que, quando defendeu abrir palanque para os candidatos ao Senado, a hipótese não teria sido bem aceita por Wellington Fagundes (PL), que quer exclusividade. Fagundes já conta com o apoio do candidato à reeleição, Jair Bolsonaro.

LEIA MAIS: Mendes diz que palanque aberto ao Senado continua sob debate, mas apoio a Bolsonaro é inegociável

“O Mauro tem a tese que ele poderia abrir o palanque pro Ciro Gomes (PDT), Lula (PT), Bolsonaro (PL), Simone Tebet (MDB). São partidos da base aliada. Só o PT que não é da base aliada aqui, na medida em que ficaria meio complicado. Mas, de qualquer forma, o mais importante que tudo isso é que, se Deus quiser, até na próxima sexta-feira, estará sendo resolvido efetivamente", declarou Jayme.

Nesta segunda-feira, o governador se mostrou firme em sua posição de apoiar a reeleição de Jair Bolsonaro. Apesar de ser taxativo quanto à sua predileção, Mendes reforçou que respeitará a escolha de todos os candidatos que estiverem em seu palanque. A concessão será necessária para que o governador não veja o PP deixar sua base aliada. Isso porque o pré-candidato ao Senado Neri Geller (PP) firmou aliança com a Federação Brasil da Esperança (PT, PCdoB e PV) e vai trabalhar junto com o principal oponente de Bolsonaro, o ex-presidente Lula (PT).

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros