Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Política Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2022, 21:03 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2022, 21h:03 - A | A

ARQUIVADA

Botelho diz que PEC dos aposentados só volta à AL se houver vontade política do governo em 2023

Botelho ainda ressaltou que está clara a articulação do governo do Estado para impedir a aprovação da emenda constitucional

RAFAEL COSTA
Da Redação

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (União Brasil) acredita que somente a partir de 2023, e com a vontade política do Executivo, será possível aprovar uma emenda constitucional que favoreça servidores públicos aposentados e pensionistas com isenção de cobrança previdenciária.

A declaração foi dada à imprensa logo após ser rejeitada pela maioria do plenário, por inconstitucionalidade, a emenda proposta pelas lideranças partidárias.

"Essa discussão, se retomada, só a partir do próximo ano. E não cabe ao Legislativo essa iniciativa conforme já decidido pelo plenário. Cabe agora ao Executivo ter a vontade política e liberar a base que é maioria para votar favorável", disse. 

Botelho ainda ressaltou que está clara a articulação do governo do Estado para impedir a aprovação da emenda constitucional em favor dos aposentados e pensionistas diante do entendimento de que poderia sofrer uma perda superior a R$ 700 milhões aos cofres públicos.

"Cada um utiliza as armas que tem. O governo entendeu que não cabia essa aprovação e mobilizou sua base política. É do jogo político",concluiu.

A PEC, agora remetida ao arquivo, foi proposta pelas lideranças partidárias e previa a isenção da contribuição previdenciária para servidores públicos aposentados que ganham até R$ 7.087,22.

Atualmente, para quem ganha entre R$ 3.500 e R$ 9.000, a alíquota é de 14% conforme aprovado pelo Congresso Nacional em 2019 e referendada pelos Estados no ano seguinte mediante a aprovação de leis complementares, o que ocorreu em Mato Grosso.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros