Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020, 09h:20

Tamanho do texto A - A+

Apostando no adiamento das eleições, Mendes acredita que pleito ocorra dia 15 de novembro

Por: JOELMA PONTES

Já decidido a não liberar seu staff para se dedicar às eleições municipais, optando pela permanência de seus secretários em plena atividade administrativa, o governador Mauro Mendes (DEM) acredita que o pleito deste ano deverá ocorrer no dia 15 de novembro e não no primeiro domingo de outubro, como estabelece a legislação eleitoral.

Essa mudança no calendário, segundo o democrata, está relacionado ao momento de crise que o Brasil está enfrentado, especialmente Mato Grosso que já se aproxima dos 3 mil infectados e tem 75 óbitos em decorrência da Covid-19, o coronavírus.

Divulgação

Mauro Mendes

"A gente aposta aí, quase que certeza, na minha opinião, que as eleições serão adiadas. Não tem cenário. Agora, mês que vem, julho, temos que começar as convenções partidárias. E como vamos fazer convenções partidária, reuniões, sem poder fazer o encontro de pessoas?", disse nesta quarta-feira (3), em entrevista à Rádio Centro América FM. 

"Dificilmente, essa pandemia vai estar num estágio muito diferente do que está hoje, daqui a aproximadamente um mês (acreditando que o caso vai se agravar). Então, não vejo cenário para ter essas eleições no mês de outubro. Muito provavelmente, ela vai ser adiada lá para 15 de novembro e se houver segundo turno nas capitais deverá ocorrer no início de dezembro", ressaltou o democrata.

A mesma projeção de Mendes, ocorreu com a eleição suplementar ao Senado. O pleito que deveria ocorrer no dia 26 de abril foi adiado como sugerido por ele, que inclusive solicitou, em ofício ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), essa mudança, sob o argumento de disseminação do coronavírus. E 15 dias após essa solicitação, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acabou suspendendo a disputa pela vaga deixada pela ex-juíza e senadora cassada, Selma Arruda (Podemos).

De acordo com o chefe do Executivo estadual, a prioridade agora, é combater e enfrentar a pandemia no estado e cuidar da saúde pública da população mato-grossense. Razão pela qual ninguém foi dispensado para 'costurar' as eleições.

"O momento agora, é de cuidar das nossas obrigações. Existem, sim, pessoas no nosso Governo que tem capacidade e potencial. Tem histórico que poderia se apresentar em um processo eleitoral para serem candidatos a qualquer cargo eletivo. Entretanto, nós decidimos nesse final de semana, que neste momento ninguém vai se afastar", pontuou Mauro Mendes.

Nomes do staff de Mendes

Pelo menos quatro secretários da gestão do governador são cotados para disputar a eleição pelo comando da Prefeitura de Cuiabá sendo eles, o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, da Casa Civil, Mauro Carvalho, de Fazenda, Rogério Gallo e de Infraestrutura, Marcelo Padeiro. Outro nome possível para o pleito é o do ex-deputado federal Fábio Garcia. Todos são filiados ao DEM. 

“Acreditamos sim que precisaremos apresentar um bom nome para prefeitura de Cuiabá.  A Capital não merece o que está acontecendo hoje aqui [em críticas ao prefeito Emanuel Pinheiro]. Tem muita gente boa, não precisa ser nome nosso partido. Cuiabá precisa de alguém que trabalha, que seja honesto acima de tudo e competente. Seria muito bom, não teríamos muitos problemas se existisse isso, honestidade, propósito, trabalhar com seriedade as informações é só ver o que está acontecendo na pandemia”.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei