Mundo Segunda-feira, 03 de Outubro de 2011, 17:51 - A | A

Segunda-feira, 03 de Outubro de 2011, 17h:51 - A | A

VEREDICTO

Corte italiana inocenta Amanda Knox pela morte de estudante britânica

Rudy Guede, cidadão da Costa do Marfim com antecedentes criminais, foi condenado no caso e cumpre pena

DA FOLHA DE SÃO PAULO

A americana Amanda Knox e seu ex-namorado italiano, Rafaelle Sollecito, foram inocentados pela Justiça italiana no caso da morte da estudante britânica Meredith Kercher na cidade de Perugia em 2007. Ambos, que haviam sido condenados anteriormente a 26 e 25 anos de prisão, respectivamente, devem ser libertados.

Os dois enfrentavam na Justiça italiana acusações de terem matado a jovem, que era colega de quarto da americana, durante uma noitada de jogos sexuais em novembro de 2007.

Kercher foi encontrada morta seminua, com ferimentos no corpo, na casa que dividia com Knox em Perugia, região da Úmbria.

O caso, que se arrastava na Itália há quase quatro anos, atraiu a atenção de todo o mundo e vem sendo acompanhando com expectativa sobretudo na Itália, Reino Unido e nos Estados Unidos.

A leitura da sentença foi acompanhada pela mãe e pela irmã da jovem britânica.

Pier Paolo Cito/Associated Press

Amanda Knox chora ao ouvir veredicto que a inocentou no caso da morte da britânica Meredith Kercher

POSSÍVEIS VEREDICTOS DO CASO

Segundo a emissora americana CNN, havia três possíveis resultados finais para o caso.

Na primeira, caso o veredicto de condenação fosse mantido, a americana e o italiano continuariam a cumprir suas sentenças de 26 e 25 anos de prisão, respectivamente. No entanto, a Corte de Apelação de Perugia poderia também levar em consideração o pedido da promotora de acusação Manuela Comodi, que recentemente solicitou que as penas fossem aumentadas para prisão perpétua.

Na segunda possibilidade, o veredicto seria revertido e o casal, inocentado das acusações, seria libertado --que foi o que ocorreu.

E por último, o veredicto de condenação poderia ser parcialmente revertido, com a redução do tempo de prisão dos acusados.

DEFENSORES

Em Seattle, a cidade natal de Knox nos EUA, amigos e parentes que acreditam na sua inocência aguardavam a divulgação do veredicto com expectativa de que ela e seu namorado fossem libertados.

"O fim está próximo, e nós esperamos que seja positivo", disse ainda na manhã de segunda-feira Tom Wright, um amigo da família Knox.

Mais de dez pessoas acompanharam a cobertura do caso desde domingo (2) à noite num hotel no centro da cidade, na costa oeste dos Estados Unidos.

Massimo Percossi/Efe

Dezenas de jornalistas aguardaram o veredicto na Itália. O caso atraiu a atenção da mídia em todo o mundo

RECURSO

Mais cedo, os advogados de defesa da americana entraram com um último recurso na Corte de Perugia.

"Eu quero voltar para casa, eu quero minha vida", disse Knox nesta segunda-feira, alegando inocência. "Tenho respeito pela Corte. Peço Justiça", acrescentou.

"Eu perdi uma amiga do modo mais brutal e inexplicável", afirmou a norte-americana. "Não quero ser privada da minha vida e do meu futuro por algo que não fiz. Eu sou inocente", defendeu-se, ressaltando que foi "manipulada" e que não estava na casa na noite do crime.

Durante o dia, o tribunal pediu "respeito" durante a leitura do veredicto. "Não é uma partida de futebol. Não há espaço para fanatismos. Vamos relembrar que uma bela jovem morreu e que a vida de outros dois está em jogo", afirmou o presidente da corte, Claudio Pratillo Hellman.

ENTENDA O CASO

Na sexta-feira (30), em suas considerações finais, promotores descreveram a americana Knox como uma "assassina fria" que matou Kercher durante um jogo sexual em 2007.

De acordo com as acusações, o casal matou a colega de quarto da americana na Itália. Após serem condenados com 26 e 25 anos de prisão, respectivamente, a americana e o italiano decidiram apelar da decisão.

A britânica foi encontrada morta seminua, com ferimentos no corpo, na casa que dividia com Knox em Perugia, região da Úmbria.

Knox e Sollecito negavam a participação no crime e dizem que passaram a noite do assassinato no apartamento do italiano.

Rudy Guede, cidadão da Costa do Marfim com antecedentes criminais, foi condenado no caso e cumpre pena. Ele também se declarou inocente.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros