Terça-Feira, 31 de Março de 2020, 14h:39

Tamanho do texto A - A+

TJ aposta em tecnologia para manter produtividade: "Não estamos de férias"

Por: RAYNNA NICOLAS

O Poder Judiciário de Mato Grosso apostou na tecnologia para enfrentar os desafios da crise provocada pelo novo coronavírus, o Covid-19. O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Carlos Alberto Alves da Rocha, afirmou em entrevista que o judiciário está trabalhando com praticamente 100% de sua capacidade em modalidade home-office. “Todos estamos conscientes de que não estamos de férias”.

Alan Cosme/HiperNoticias

TJ tribunal de justiça

 

Nos últimos anos o Poder Judiciário do estado já vinha se preparando para eliminar o uso de papel em processos administrativos e judiciais. Dentre muitas inovações proporcionadas pelo investimento em tecnologia, o Judiciário apresentou aplicativos que reúnem serviços para o cidadão, plataformas que permitem os juízes assinarem documentos e sentenças pelo celular e até audiências criminais por videoconferência sem a necessidade de tirar o reeducando do presidio.

“Estamos no caminho certo, porque, de repente, tivemos que nos recolher para combater o avanço do coronavírus. Muitas instituições brasileiras ficaram praticamente paradas, ou funcionando com capacidade mínima de execução. Mas o Poder Judiciário não parou, porque já estava preparado para agir rápido em situações de crise como esta”, afirmou o presidente do TJ.

“Estamos trabalhando com praticamente 100% de nossa capacidade na modalidade de teletrabalho. Servidores, magistrados, terceirizados, todos conscientes de que não estamos de férias. Estamos sim, cumprindo nossas metas e nosso expediente, mas cada qual de sua casa, com o uso de diversas tecnologias, prestando nosso serviço à sociedade”, completou.

O presidente do órgão disse ainda que é natural que haja sobrecarga devido ao uso maciço da rede, mas que as respostas e soluções para esses problemas pontuais estão sendo satisfatórias, sem prejuízos à produtividade de magistrados e servidores. Entre os dias 20 e 27 de março os juízes totalizaram quase 30 mil atos processuais.

Segundo o magistrado, ainda que algumas situações não dispensem a presença do agente público, a tendência é de que o Poder Judiciário continue investindo em tecnologia e se torne cada vez mais conectado, mesmo após a pandemia.  O trabalho em modalidade home-office também é uma aposta.

“É fato que o teletrabalho vai ganhar um espaço muito maior. No Judiciário de Mato Grosso já estamos estudando inclusive métricas mais precisas para estabelecer as metas que cada um tem que cumprir no trabalho remoto.”, afirmou.

Inicialmente a corregedoria havia determinado o teletrabalho no período de 20 de março a 20 de abril como medida de contenção ao Covid-19, mas o Poder Judiciário de Mato Grosso em convergência à Resolução 313/2020 do Conselho Nacional de Justiça pretende estender a modalidade até o dia 30 de abril. (Com assessoria)

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei