Quarta-Feira, 26 de Fevereiro de 2020, 10h:44

Tamanho do texto A - A+

MP investiga Instituto de Pesquisa por contratação de empresas fantasmas

Por: KHAYO RIBEIRO

O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) instaurou um inquérito civil para apurar irregularidades na prestação de serviço pelo Instituto de Pesquisa e Gestão de Políticas Públicas (IPGP). Conforme dados de uma auditoria realizada pela Controladoria Municipal, o instituto contratou diversas empresas fantasmas para consagrar o contrato de serviços orçado em R$ 3,8 milhões, firmado para atender o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor de Mato Grosso (Procon-MT).

DIVULGAÇÃO

MPMT

 

Segundo informações do MPMT, a Secretaria Municipal de Ordem Pública abriu um chamamento público em abril de 2018 com a finalidade de contratar uma empresa para prestar serviços ao Procon. Com a chamada, o IPGP, único interessado no certame, fechou contrato de R$ 3,8 milhões com o município para que fossem realizadas 30 metas ao longo de um ano. Contudo, diante de irregularidades constatadas durante o período, o secretário municipal Leovaldo Emanuel Sales da Silva, oficiou a Controladoria para que investigasse os serviços.

A Controladoria então realizou uma auditoria e constatou “indícios robustos de contratação de empresas fantasmas”, como aponta trecho da portaria. No relatório, uma das empresas contratadas, a VG Mix Serviços Eireli, foi criada às vésperas da assinatura do termo de parceria firmado entre o IPGP e o Procon. A outra contratada, a F.L.M. Comércio, só foi criada após um mês e meio após a celebração do contrato.

“Mesmo com a criação em datas tão próximas da celebração do termo de parceria, as mencionadas empresas já receberam vultosos valores a título de pagamento pela prestação de serviços gráficos até a locação de automóvel”, narra trecho da portaria. Após consultas realizadas em bancos de dados nacionais, restou constatado que duas das empresas contratadas são de propriedade de Oldemar Maia Vieira, possui o mesmo sobrenome da atual presidente do IPGP, Ana Lúcia Vieira de Souza – o que pode apontar parentesco.

Além disso, o IPGP, VG Mix Serviços Eireli e a OMV Comércio têm como procurador Edson José Menezes, que já é investigado pela “Operação Imperador”, na qual foi constatada a existência de organização criminosa liderada por José Geraldo Riva.

Diante dos fatos, o promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva determinou a abertura das investigações para apurar a atuação do IPGP. Assim, ficou oficiado que a Junta Comercial do Estado apresente cópia dos contratos firmados entre as empresas.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei