Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

Justiça Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 13:57 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 13h:57 - A | A

DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA

Militares concordam em pagar R$ 56,8 mil para abrigo de idosos em acordo da "grampolândia"

Dinheiro pago pelos militares será revertido para a construção de uma nova ala de saúde na Fundação Abrigo Bom Jesus

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

Os policiais militares Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior e Evandro Lesco firmaram acordo com Ministério Público para encerrar ação em que eram acusados de denunciação caluniosa contra o então promotor Marcos Regenold no caso da 'Grampolândia Pantaneira'. Ambos concordaram em pagar R$ 28,4 mil cada, divididos em 24 vezes iguais. Termo do pacto foi entregue para homologação do Judiciário nesta segunda-feira (10). 

Dinheiro pago pelos militares será revertido para a construção de uma nova ala de saúde na Fundação Abrigo Bom Jesus com áreas de fisioterapia, sala de psicologia, sala médica, enfermagem, duas enfermarias para acamados, sala de nutrição, sala de assistência social e banheiros.

LEIA MAIS: PGJ acolhe pedido de militares e vai propor acordo em ação sobre denunciação caluniosa

Além do dinheiro, Gerson Luiz e Evandro Lesco também assentiram em prestar trabalho voluntário no abrigo de idosos durante um ano, com carga horária de seis horas por semana. 

Os militares se tornaram réus depois de acusarem o ex-promotor Margos Regenold de ter falsificado documentos para se beneficiar do esquema de interceptações telefônicas ilegais que ficou conhecido como 'Grampolândia Pantaneira'. Processo e sindicância foram abertos e arquivados porque não foram encontradas evidências do que foi relatado pela dupla. 

No âmbito judicial, Lesco e Gerson tiveram pedido de Acordo de Não Persecução Penal (ANPP) negado numa primeira tentativa. Contudo, decisão da 11ª Vara Criminal de Cuiabá determinou que o procurador-geral de Justiça, Deosdete Cruz Júnior, revisasse a possibilidade de pacto.

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros