Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Justiça Terça-feira, 12 de Julho de 2022, 10:58 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 12 de Julho de 2022, 10h:58 - A | A

DOIS ANOS DA MORTE

Durante carreata em memória de Isabele, mãe faz apelo para acusada cumprir sentença; veja

Empresária reforça que já foi protocolado um embargo para reverter a votação que classificou o crime de homicídio culposo, e não mais doloso

AMANDA DIVINA/ MÁRCIA TOMAZ
Da Redação

Nesta terça-feira (12), dia em que faz dois anos da morte da jovem Isabele Ramos Guimarães, aos 14 anos, atingida por um tiro no rosto disparado por uma de suas melhores amigas, a mãe da jovem, a empresária Patrícia Hellen Guimarães, faz um apelo por justiça diante da liberação do cumprimento de internação da adolescente responsável pelo ato. O clamor da mãe da vítima foi em meio à carreata que realiza em memória da filha. 

O cortejo teve início em frente ao colégio Maxi, localizado na rua Estevão de Mendonça, em Cuiabá, onde a atiradora estudava, e seguiu até o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

“Hoje traz um peso da lembrança da morte da minha filha, do assassinato dela, é um dia que eu carrego com muita tristeza no meu coração, em saber que a atiradora está solta”, relata Patrícia.

A empresária cita que existem muitas dúvidas em relação ao processo, já que corre sem segredo de justiça. Na oportunidade, ela questiona a soltura da menor acusada de cometer o crime.

“Vai ser passado uma borracha em cima disso? Isso vai ficar como se esse crime nunca tivesse acontecido? A condenada vai volta a vida ao normal, estudando, viajando? Porque foi assassinato, foi um crime, então, deve ser tratado com rigor que ele merece. Eu não encontrei dia melhor para sensibilizar toda a sociedade e, principalmente, o Poder Judiciário e seus representantes, que possam analisar essa situação com todo critério, afinal de contas, existe um processo que envolve todo o crime, existem testemunhas que comprovaram que não foi um acidente”, ressalta a empresária.

A responsável pelo tiro que matou Isabele foi internada no dia 19 de janeiro de 2021, após decisão da juíza da 2ª Vara Especializada da Infância e da Juventude de Cuiabá, Cristiane Padim da Silva. Em junho de 2022, porém, por decisão da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, foi concedida a ela a liberdade, quando o crime também foi classificado como ato infracional análogo a homicídio culposo, e não mais doloso, como determinado no juízo de primeiro grau.

“Para nós, está claro que foi um crime.  Só não está claro o porquê de ela estar solta, por que que ela é diferente das demais? E aqui fica também meu apelo e questionamento, a vida dela continua normal? Porque minha filha não volta nunca mais. Mas ela (atiradora), certamente vai poder desfrutar de uma vida como se nada tivesse acontecido. Sem consequências dos atos, que não só ela cometeu, mas que a família também, naquele dia, porque a gente sabe que as armas estavam ali, todas dispostas em uma casa cheia de menores”, declara a mãe de Isabele.

Patrícia diz ainda que nunca recebeu um pedido de desculpas, nem da atiradora, nem da família, além de eles nunca terem tratado o ocorrido como um crime. Segundo ela, durante todo o processo, a acusada não contribuiu com a Justiça.

“Para eles, não foi um crime, não passou de um acidente, e não foi isso! No processo que eu participei como assistente de acusação sem poder me manifestar, ela nunca colaborou com a Justiça, sempre foi omissa em todos os depoimentos, ela nunca colaborou, nem a família”, declara.

A empresária ressalta que já foi protocolado um embargo para reverter a votação que classificou o crime como homicídio culposo, e não mais doloso.

“Fica muito claro e evidente não só para mim, mas também para as pessoas que acompanham esse caso desde o início, que se trata de um crime, que ela recebeu a sentença e não é nada mais que justo que ela volte para o Centro de Ressocialização e cumpra a sentença que ela recebeu”, finaliza Patrícia.

VEJA VÍDEO:

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Álbum de fotos

AMANDA DIVINO

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros