Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

Justiça Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 10:02 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 14 de Junho de 2024, 10h:02 - A | A

FALTA DE TEMPO

Defensor pede que Justiça adie julgamento de autor da chacina de Sinop

Defensor público argumentou que só teve oito dias úteis para trabalhar no caso e que, durante o período, precisou dedicar-se a outros compromissos já assumidos por ele no âmbito profissional

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O defensor público Ricardo Bosquesi pediu a redesignação do julgamento de Edgar Ricardo Oliveira, autor da chacina de Sinop (480 km de Cuiabá). Bosquesi assumiu a defesa de Edgar no dia 4 de junho depois que o advogado Marcos Vinicius Borges, conhecido como 'advogado ostentação' renunciou o mandato no caso. A sessão do Tribunal do Júri estava agendada para a próxima terça-feira (18). 

O defensor público argumentou que só teve oito dias úteis para trabalhar no caso e que, durante o período, precisou se dedicar a outros compromissos já assumidos por ele no âmbito profissional. Sendo assim, considerou que o tempo foi insuficiente para que pudesse destrinchar o caso, considerado complexo. 

LEIA MAIS: Advogado "ostentação" desiste de defender autor da chacina de Sinop duas semanas antes de júri

Edgar é acusado da morte de sete pessoas em chacina cometida num bar de Sinop. A motivação do crime seriam sucessivas derrotas em partidas apostadas de sinuca. Dentre as vítimas, estava uma menina de 12 anos atingida pelas costas. Ezequias Ribeiro, que também foi autor das execuções, morreu em confronto policial. 

Segundo Ricardo Bosquesi, após assumir a defesa de Edgar, não houve sequer a oportunidade de que o defensor pudesse entrevistá-lo, o que ocorreria por videoconferência nesta sexta-feira, já que o réu se encontra preso na Penitenciária Central do Estado, a PCE, em Cuiabá. "Sendo assim, faz-se necessária a redesignação da solenidade aludida, sob pena de nulidade do futuro julgamento", defendeu. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros