Economia Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011, 17:54 - A | A

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011, 17h:54 - A | A

UNIÃO

Petrobras e Vale estudam parceria de exploração em SE

Empresas estudam a possibilidade de se associarem para explorar potássio e petróleo na mesma área

DA REUTERS

A Petrobras e a mineradora Vale estão avaliando a possibilidade de uma associação para explorar potássio e petróleo na mesma área, em projeto bilionário em Sergipe, informou o presidente da petroleira, José Sergio Gabrielli, nesta terça-feira.

"Estamos discutindo questões técnicas de cavernas e poços, como combinar risco de gás com risco de produção de potássio. São problemas técnicos", afirmou Gabrielli a jornalistas durante encontro de final de ano com a imprensa na sede da empresa, no Rio.

"Evitar explosão é um dos problemas principais, exatamente por isso que é problemático", acrescentou.

Divulgação

A Vale tem interesse em implementar um grande projeto de produção de potássio em área no Sergipe cujos direitos de exploração estão em poder da Petrobras. Na mesma área está localizado o campo de Carmópolis, o segundo maior produtor de óleo em terra, onde a Petrobras já explora petróleo há décadas.

Indagado sobre a possibilidade de a Petrobras abrir mão do petróleo ali, o diretor de Exploração e Produção da estatal, Guilherme Estrella, foi contundente ao afirmar que a premissa básica do negócio é que a produção de petróleo é prioritária.

"A Petrobras certamente não vai abrir mão dos volumes que têm naquela área de Carmópolis em que se sobrepõem a possibilidade de lavra de sais de potássio e petróleo", respondeu Estrella.

"O que está se vislumbrando e estudando é a possibilidade de lavra de potássio e petróleo concomitantemente. Mas isso vai demorar um certo tempo porque envolve parte técnica muito sofisticada."

Gabrielli ponderou que a interface entre petróleo e potássio ocorre em área muito pequena em relação à área total que está em discussão com a Vale.

Segundo uma fonte ligada ao processo, o método de exploração de potássio que a Vale pretende usar na região, de dissolução da rocha de carnalita, pode deteriorar a estrutura que mantém os depósitos de petróleo. Outro problema é que a extração de petróleo e potássio pode ocasionar explosões provocadas pelos hidrocarbonetos.

ARRENDAMENTO

A Vale já tem um contrato de arrendamento com a Petrobras pelo qual produz potássio na região a partir da mina de Taquari-Vassouras.

O objetivo da Vale é ampliar a produção de potássio em mais de três vezes a partir da exploração de outras minas que ficam na área da Petrobras.

A Vale já explora a mina de potássio arrendada da Petrobras em Sergipe desde 1991 e produz cloreto de potássio a partir dos sais de silvinita, num volume de cerca de 700 mil toneladas anuais.

Avaliado em cerca de US$ 4 bilhões, o projeto é considerado pelo governo importante para reduzir as importações de potássio, estimadas em mais de 90% do consumo.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros