Cidades Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011, 15:00 - A | A

Quinta-feira, 25 de Agosto de 2011, 15h:00 - A | A

PRESSÃO

Prefeito admite má gestão no PS de Várzea Grande; OSS pode ser implantada

Secretário Pedro Henry busca explicações sobre o gerenciamento dos recursos nas unidades hospitalares

Mayke Toscano/Hipernotícias

Tião da Zaeli: "Desde 2008, aquilo lá (PSVG) parece um campo de batalha"

O atual prefeito de Várzea Grande, Sebastião dos Reis Gonçalves, conhecido como Tião da Zaeli,admite que pronto-socorro da cidade que ele administra tem má gestão e parece uma campo de batalha. Pedro Henry, secretário de Estado de Saúde, chamou atenção do prefeito dizendo que gostaria de saber para onde está indo R$ 1,2 milhão repassado do Estado para o hospital.

Em coletiva na quarta-feira (24), o secretário Pedro Henry alfinetou o prefeito Tião da Zaeli,  indagando sobre o que será feito em relação as falhas que existem no Pronto-Socorro de Várzea Grande. “Eu quero que os R$ 1,2 milhão que é destinado para Várzea Grande tenham retorno. Não estou aqui para execrá-lo mas quero resultado”, afirmou Pedro Henry para o prefeito da cidade.

O tom mais intenso, segundo Pedro Henry, é para "mexer na ferida" e tentar resolver o problema da saúde do Estado.

Por sua vez, Tião da Zaeli, que estava sozinho, pois o seu secretário de Saúde, Fábio Saad não estava na coletiva, definiu da seguinte forma a situação do PS de Várzea Grande: “Pode colocar até mais de R$ 2 milhões lá que não vai resolver. O problema é má gestão. Desde 2008, aquilo lá (PSVG) parece um campo de batalha”, afirmou o prefeito.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, o repasse feito para o PS de Várzea Grande é de R$ 1,2 milhão do Estado, R$ 800 mil da União e segundo a Prefeitura da cidade é destinado R$ 400  mil para pagamento da folha salarial, totalizando R$ 2,4 milhões mensalmente, cerca de R$ 1 milhão a menos do que será repassado para a Organização Social de Saúde  Instituo Pernambucano de Assistência Social (Ipas) para gerenciar o Metropolitano.

CUIABÁ

O secretário Pedro Henry se reuniu na manhã de quarta-feira (24) com o secretário Municipal de Saúde, Antônio Pires, para pedir explicações sobre a gestão dos recursos na pasta.

De acordo com Wander Fernandes, secretário-Adjunto de Estado de Saúde, o Pronto-Socorro de Cuiabá recebe do Estado e União o total de R$ 2,6 milhões, somado aos recursos do município o PS dispõe de quase R$ 6 milhões mensais para as despesas com folha salarial, remédios e logística.

Na reunião, Pedro Henry reafirmou a intenção de querer gerenciar o PS de Cuiabá com o mesmo modelo implantado no Metropolitano.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros