Segunda-Feira, 20 de Janeiro de 2020, 08h:40

Tamanho do texto A - A+

Mulheres organizam movimento contra vinda de Bruno ao Operário de VG

Por: FERNANDA ESCOUTO

Uma manifestação contra a admissão do atleta Bruno Fernandes, mais conhecido como o goleiro Bruno, no Clube Esportivo Operário Várzea-grandense (CEOV), está sendo organizado por um grupo de mulheres. O ato de repúdio está marcado para terça-feira (21), às 19h, no estádio Dito Souza em Várzea Grande.

Reprodução

Bruno goleiro

 Bruno Fernandes 

Antes do Operário Várzea-grandense acertar com Bruno, foi divulgado que o Cuiabá Esporte Clube estaria negociando com o atleta. Entretanto, a informação foi negada pelo time.

Uma das administradoras do evento, a presidente do Conselho Estadual de Direitos da Mulher (CEDM), Gláucia Amaral, afirma que essa manifestação será apenas a primeira e destaca que não só o clube, mas também os patrocinadores deveriam repensar a contratação de Bruno.

“Um clube tem responsabilidade social. Transformar um feminicida em um ídolo para crianças, homens e mulheres, não é papel de um time de futebol. As empresas que financiam o Operário também precisam se perguntar se estão patrocinando o futebol, como ação social útil, ou patrocinando um feminicida?”, disse Gláucia ao HNT/Hipernotícias.

“O Operário é um time querido pela torcida, mas infelizmente não está dialogando e nem ouvindo a sociedade. Eles estão surdos. O Bruno tem que ser ressocializado, mas não em um time de futebol, pois isso gera a impressão que o crime compensa”, concluiu. 

Bruno foi preso em setembro de 2010 e condenado em março de 2013 por homicídio triplicamente qualificado da ex-namorada Eliza Samúdio. O goleiro foi condenado a mais de 20 anos de prisão. Atualmente, ele cumpre pena em regime semiaberto em Varginha.

Na última semana, o juiz Tarciso Moreira de Souza, da Vara de Execução em Meio Aberto e Medidas Alternativas de Varginha, de Minas Gerais, autorizou a transferência do atleta para o time de Mato Grosso.

A decisão da Justiça atende o parecer do promotor Aloísio Rabelo de Rezende, também da cidade mineira.

Conforme a assessoria de imprensa do TJMG, o processo será encaminhado ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que deve distribuí-lo para a comarca de Execuções Penais de Várzea Grande.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei



2 Comentários

Ana Paula Camargo - 20/01/2020

Muito mimi, agora nenhum ex presidiário pode trabalhar?

joao - 20/01/2020

Estão corretas as mulheres pelo movimento contra a contratação do goleiro Bruno. Este movimento deve ser constantes em VG em todos os jogos em VG e organizar também movimentos em todas as cidades onde o goleiro for defender o time de VG. Aqui em Rondonópolis este movimento deve chegar a 3.ooo mulheres na manifestação contra.Mulheres não deixam por menos.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA