Artigos Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011, 13:11 - A | A

Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011, 13h:11 - A | A

Rabecão

Estava fazendo a barba com a porta do banheiro aberta para ouvir o noticiário local da televisão, quando a apresentadora do programa informou que em Rondonópolis há muito tempo falta rabecão. Fui ao quarto acompanhar a notícia para não perder os detalhes

GABRIEL NOVIS NEVES

Steffano Scarabottolo

Estava fazendo a barba com a porta do banheiro aberta para ouvir o noticiário local da televisão, quando a apresentadora do programa informou que em Rondonópolis há muito tempo falta rabecão.

Fui ao quarto acompanhar a notícia para não perder nenhum detalhe, pois não são todos os dias que somos brindados com matérias tão sensacionais.

Para quem não sabe, Rondonópolis é a cidade mais importante do sul mato-grossense. Possui ensino superior há mais de trinta anos, uma economia fortíssima e um pólo importante de cidades do agronegócio.

É uma cidade linda e rica, com um povo trabalhador.

Rabecão é um furgão que transporta cadáveres. O responsável por esse humano serviço de recolher corpos encontrados, muitas vezes, em estado de putrefação, disse que há oito meses o único rabecão da cidade está com problemas mecânicos, e na oficina, sem prazo de alta.

Todos os estudantes de medicina, no seu primeiro dia de aula, aprendem a oração do cadáver desconhecido e a respeitá-lo.

Quantos avanços da medicina foram conseguidos graças aos estudos no cadáver desconhecido!

É inaceitável que em uma cidade civilizada, com vida universitária e residência de políticos importantes, não se dê atenção ao cadáver desconhecido.

Falamos muito e fazemos pouco. Um rabecão, além de custar bem menos que a decoração de uma Avenida no Natal, reflete aquilo que somos.

Não adianta a chegada triunfal de alguém fantasiado de Papai Noel despencando cheio de presentes de um helicóptero, e correndo o risco de pousar em cima de um cadáver por falta de um rabecão.

Será que Rondonópolis não merece receber a atenção do governo através de um simples rabecão?

É a grande oportunidade para agora, na folia do Papai Noel, corrigir este ato desumano, que todo o Estado tomou conhecimento pela televisão.

Respeitemos os nossos mortos, especialmente aqueles desconhecidos!

(*) GABRIEL NOVIS NEVES é médico, professor fundador da UFMT e colaborador de HiperNoticias. E-mail: borbon@terra.com.br.

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros