Artigos Quarta-feira, 29 de Junho de 2011, 18:03 - A | A

Quarta-feira, 29 de Junho de 2011, 18h:03 - A | A

Mercadores de ilusões

Tudo isto vai ser resolvido em breve com as obras do VLT e as demais obras da COPA! Basta que o povo tenha paciência e otimismo quanto ao futuro! Em Cuiabá os investimentos serão mais do que 1,5 bilhão de reais e no Brasil poderá ser superior a R$ 40 bi

Divulgação

Costuma-se dizer que os vendedores são treinados na exímia arte do convencimento. Conseguem motivar e convencer as pessoas quanto a excelência de seus produtos e o consumidor, mesmo às vezes não necessitando de tais produtos, acaba adquirindo-os. A técnica de convencimento utilizada pelos vendedores é a massificação das idéias relacionadas com os produtos, mesmo que esta massificação seja realizada através de propaganda enganosa.

É por esta razão que o código de defesa do consumidor pune a propaganda enganosa evitando que os vendedores acabem enganando os consumidores. Muitas vezes o consumidor acaba comprando gato por lebre, pagando caro por produtos de péssima qualidade e, não raro também os produtos são meras ilusões, ou seja, não existem no formato como foi oferecido por esses mercadores de ilusões.

Esta forma sórdida de enganar as pessoas muitas vezes ou com muita freqüência está presente no processo eleitoral quando planos mirabolantes e “soluções” para os diversos problemas que angustiam o povo são oferecidas em troca do voto. Neste caso estamos diante de uma característica que marca de forma indelével a classe política que é a demagogia e as falsas promessas.

Outra área em que os mercadores de ilusões estão bem presentes é a religião, principalmente com o advento do tele-evangelismo, onde ao povo que sofre as misérias materiais e o enfraquecimento emocional/espiritual são oferecidos verdadeiros milagres através da “teologia” da prosperidade, uma verdadeira lavagem cerebral. Em troca da prosperidade material, da promessa de solucionar todos os problemas que afligem as pessoas que sofrem e a salvação eterna, cabe aos beneficiários contribuir com a “obra sagrada” através de doações generosas, muitas vezes com extremo sacrifício, as quais acabam favorecendo o acumulo de patrimônio dos profetas e da alta hierarquia de igrejas e religiões.

Assim também está acontecendo na gestão pública brasileira, em todos os níveis e poderes. Através de técnicas modernas de propaganda e marketing os organismos públicos, da administração direta e indireta, com dinheiro oriundo de uma alta carga tributária, geram uma infinidade de “produtos” e vendem diuturnamente verdadeiras ilusões ao povo.

Por exemplo, o governo federal no final da gestão Lula e na atual da presidente Dilma Roussef tem massificado a idéia de que o pré-sal é o passaporte para o futuro do Brasil, que com o mesmo todos os problemas passados, presentes e futuros serão solucionados. Outro exemplo foi o PAC, que aos poucos foi se esvaziado e o povo começou a acordar para as ilusões da propaganda enganosa. O Saneamento, a infra-estrutura urbana, rodoviária, ferroviária, aeroviária, aquaviária continuam uma vergonha. Foi preciso lançar outros PAC, da educação, da saúde, do combate a miséria e outras ilusões.

Percebendo que pouca coisa foi alterada e que o produto oferecido ao povo não tinha a qualidade anunciada os governantes de plantão, como verdadeiros ilusionistas, há algum tempo passaram a enfocar em outro produto que deve substituir os velhos chavões relacionados com o PAC e Pré-Sal. Este substituto é a COPA 2014. Por estar não muito distante, mas tendo neste percurso duas eleições importantes, os pleitos municipal de 2012 e a sucessão governamental de 2014, nada melhor do que criar a ilusão na cabeça do povo que os investimentos relacionados com a copa irão resolver todos os problemas que tanto atormentam a vida nacional.

As obras da copa, dizem os prestidigitadores (mágicos) oficiais, irão resolver os problemas da segurança pública, da saúde, do caos que tem sido o trânsito e transporte urbano, do lazer, do esporte, da educação, do turismo, da infra-estrutura, do saneamento básico, e, de forma indireta, todos os demais problemas nacionais, estaduais e municipais.

Em Mato Grosso os mercadores de ilusões durante quase dois anos tem alimentado o imaginário popular que uma vez definido o modelo de transporte de massa para servir aos interesses da copa, se BRT ou VLT, tudo seria ou será transformado em um passe de mágica, induzindo o povo a aceitar passivamente o agravamento da insegurança, da bandidagem que aumenta a cada dia, que o caos na saúde será equacionado como que em um passe de mágica, que os córregos de Cuiabá e de Várzea Grande e o Rio Cuiabá deixarão de ser verdadeiros esgotos a céu aberto, bastando que a população abrace-o rio uma vez por ano e depois o lixo e os esgotos continuem sendo despejados “in natura” 364 dias por ano. Anualmente são despejados em torno de 15 mil toneladas de lixo e mais de 16 milhões de litros de esgoto in natura no Rio Cuiabá afetando a qualidade da água consumida por mais de 1,100 milhão de habitantes e a pesca que alimenta essa população. Em Cuiabá a grande ilusão que já tem décadas é a chegada da ferrovia!

Mas tudo isto vai ser resolvido em breve com as obras do VLT e as demais obras da COPA! Basta que o povo tenha paciência e otimismo quanto ao futuro! Em Cuiabá os investimentos serão mais do que 1,5 bilhão de reais e no Brasil poderá ser superior a 40 bilhões. Tudo vai ficar em segredo para deleite dos mercadores de ilusões e dos corruptos que estão eufóricos com tanto dinheiro para darem suas mordidas!

(*) JUACY DA SILVA é professor universitário, mestre em sociologia e colaborador de HipernoticiasE-mail: professor.juacy@yahoo.com.br

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do site de notícias www.hnt.com.br

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros