Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,13
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Política Quarta-feira, 01 de Junho de 2016, 08:41 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 01 de Junho de 2016, 08h:41 - A | A

GUERRA PELA RGA

“Os trabalhadores estão dispostos, com sangue nos olhos e faca nos dentes”, diz sindicalista

RENAN MARCEL

Pelo menos 28 categorias de servidores públicos de Mato Grosso decidiram manter o movimento grevista iniciado nesta terça-feira (31) até que o governo do Estado apresente uma proposta para o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA).

 

Alan Cosme/HiperNoticias

oscarlino

 

Nessa quarta-feira (1º), representantes do Fórum Sindical se reúnem para deliberar as próximas ações dos sindicatos. Uma manifestação no Centro Político, em frente a Secretaria de Gestão (Seges) está prevista para 14h.

 

“Os trabalhadores estão dispostos. Estão com sangue nos olhos e a faca nos dentes”, garante o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde e do Meio Ambiente (Sisma), Oscarlino Alves.

 

Ele reconhece que a greve causa transtornos e prejuízos à sociedade, mas prevê desgaste maior para o Executivo:

 

“Vamos ficar em greve até o governo trazer essa solução para nós. Enquanto isso, o governo vai tendo um desgaste político jamais visto na história. Nem esse que passou pelo governo, que roubou e está preso, teve um desgaste tão grande com os servidores, como está tendo o doutor Pedro Taques”, disse, fazendo referencia ao ex-governador Silval Barboa (PMDB).  

 

Na segunda-feira, o Executivo propôs o pagamento da revisão, no valor de 5%, de forma parcelada, sendo 2% em setembro e o restante em janeiro de 2017. A RGA está estimada em 11,28% e os grupos sindicais cobram o pagamento integral neste ano, ainda que parcelado.

Alan Cosme/HiperNoticias

manifesto capa

 

REUNIÕES

A apresentação de uma nova proposta foi suspensa até quinta-feira (2). É que o governador Pedro Taques (PSDB) se reúne nesta quarta-feira (1º) com o presidente interino Michel Temer (PMDB) para discutir as principais questões que afetam o estado de Mato Grosso neste momento de crise econômica nacional. Oficialmente, na pauta da reunião estão os repasses constitucionais e as transferências voluntárias da União para o Estado.

 

O resultado da reunião pode alterar a realidade financeira de Mato Grosso, com consequente mudança na questão da RGA.

 

Também são aguardados os resultados de uma reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), em que será abordada a renegociação da dívida pública dos estados com a União. O secretário de Fazenda, Paulo Brustolin, participará deste encontro. 

 

Segundo o secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, é possível haver uma moratória de alguns meses na dívida do Estado. A renegociação da dívida com a União pode trazer alívio aos estados. Mas o governo federal deve exigir medidas fiscais e arrocho contra o funcionalismo público de todo o Brasil, como congelamento de salários, corte de benefícios e suspensão de concursos. A medida é alvo de críticas dos movimentos sindicais de todo o país.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Arthur 02/06/2016

Hans Dorner Mayer, perfeitas considerações. Faço das suas palavras, as minhas. Só vejo um monte de gente sendo usada como massa de manobra nisso tudo.

positivo
0
negativo
0

Teleguiado 01/06/2016

Hans Dorner Mayer, não vou negativar seu comentário. O site não disponibiliza a ferramenta.

positivo
0
negativo
0

Hans Mayer 01/06/2016

Esse cidadão só confirma o que foi previsto pelo Governador sobre a origem política da greve. Não interessa o resto, o bem estar da população, o funcionamento da saúde, da segurança, da educação: a ordem é "desgastar politicamente o governador", e apenas o governador. Assim fica difícil. Vai aparecer um bando de gente teleguiada negativando o meu comentário. Gente que nem sabe o que está acontecendo e "vai com as outras".

positivo
0
negativo
0

3 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros