Terça-feira, 16 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,94
libra R$ 5,94

Política Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 09:43 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 09h:43 - A | A

RETROSPECTIVA 2022

Natasha Slhessarenko: de favorita na corrida ao Senado ao anúncio do recuo na disputa

Pleito ao Senado teve desistência e candidato concorrendo sub judice

ALEXANDRA LOPES
Da Redação

Enquanto a eleição para o comando do Palácio Paiaguás se encaminhava para uma vitória por W.O. com a reeleição de Mauro Mendes (UB), a corrida à senatoria se desenhava mais espinhosa no pleito de 2022. Dos nomes considerados fortes postos à mesa de articulações, o da médica Natasha Slhessarenko se despontava, inicialmente, como um dos favoritos.

LEIA MAIS: Russi aponta crescimento de Natasha nas pesquisas para senatoria em outubro

Contudo, ela, que disputaria os votos ao lado do liberal Welington Fagundes (reeleito) e do deputado federal cassado, Neri Geller (PP), teve de abdicar da corrida após sofrer pressão por parte dos que representam, nas palavras dela, a velha política.

Em decorrência do recuo, Natasha chegou a ser ventilada como possível candidata a deputada estadual, mas, em coletiva de imprensa realizada no dia 8 de agosto, ela acabou anunciando que não seria candidata a nada. Na mesma ocasião, a socialista afirmou que preferiu retirar seu nome da disputa ao Senado a, por exemplo, aceitar a primeira suplência do então candidato Neri Geller (PP), que fazia composição com a Federação Brasil da Esperança (PT, PV e PcdoB).

“No plano nacional, o PT impôs a candidatura ao Senado do deputado Neri Geller, o que foi totalmente inesperado, afinal de contas, Neri e o PP fazem parte da base bolsonarista. Aliás, Neri vinha defendendo o governo Bolsonaro até 15 dias antes das convenções, o que era natural, já que o PP faz parte da espinha dorsal do governo Bolsonaro e talvez o partido mais importante do chamado centrão", declarou Natasha à época.

LEIA MAIS: Natasha diz que partido de Neri Geller é "núcleo fisiológico da velha política"

Gilberto Leite

Natasha

 

"Não aceitei porque não estou em busca do poder a qualquer preço e me mantive coerente ao meu propósito de ser candidata ao Senado, mantendo os valores que sempre nortearam minha vida e minha trajetória. Eu defendo a política com ética, com decência, com honestidade, com princípios e defendo a política com retidão e com lealdade. É assim que quero fazer minha caminhada na política", finalizou a médica, que é filha da ex-senadora Serys Slhessarenko.

Ex-candidata à Câmara dos Deputados, Serys (PSB), sobre o assunto, chegou a declarar que a filha foi pressionada a recuar da disputa. Serys colocava que não houve, por parte da Federação Brasil da Esperança, interesse em formar composição com Natasha, mas não atribui totalmente o recuo a esta falta de diálogo.

LEIA MAIS: Serys diz que filha foi pressionada a recuar da disputa com críticas à FE - Brasil

NADOU, NADOU ....

Ao final, Neri acabou concorrendo sub judice após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinar a perda de seu mandato como deputado federal por abuso de poderio econômico. Ele acabou fugurando na terceira colocação, atrás de Fagundes e do produtor rueral, Antônio Galvan (PTB). 

REAÇÕES

O recuo de Natasha foi extremamente criticado, especialmente por mulheres. A ex-candidata a deputada estadual e atual vereadora Maysa Leão (Republicanos), na coletiva, protagonizou um bate-boca com o presidente do PSB em Mato Grosso, Max Russi. Para Leão, houve interferência masculina no processo que culminou com a desistência da médica.

LEIA MAIS: Candidata à AL acusa dirigentes partidários de machismo por retirada da candidatura de Natasha

Em nota, a ex-candidata a deputada federal, Dona Neuma, disse que a correligionária foi arrancada do projeto, tirando de várias mulheres a oportunidade de votar em uma mulher na senatoria.

LEIA MAIS: "Não iremos nos calar pelo arbítrio do machismo", diz Dona Neuma sobre recuo de Natasha

PSB E SUPLÊNCIA DE FAGUNDES

Após a oficialização do recuo da médica, Max Russi deu início a uma articulação para o PSB ocupar uma das suplências na chapa do senador Welinton Fagundes, mais especificamente a segunda. O empresário Diógenes Jacobsen (PSB), ex-vereador por Nova Mutum, chegou a ser a principal aposta na época. Contudo, as negociações não avançaram e os suplentes de Fagundes sacramentados foram o secretário-chefe da Casa Civil do governo de Mato Grosso, Mauro Carvalho, e Rosana Martinelli (PL), como segunda, prefeita de Sinop entre os anos de 2017 e 2021.

LEIA MAIS: Max senta com Mauro Mendes nesta quinta para discutir segunda suplência de Fagundes

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros