Política Quarta-feira, 30 de Setembro de 2020, 15:26 - A | A

Quarta-feira, 30 de Setembro de 2020, 15h:26 - A | A

OBRAS PARADAS

Júlio Campos defende conclusão do VLT em Cuiabá e VG

WELLYNGTON SOUZA

O ex-senador e primeiro suplente na chapa encabeçada por Nilson Leitão (PSDB) ao Senado, Júlio Campos (DEM) defendeu a conclusão das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), paralisadas desde 2014, em Cuiabá e Várzea Grande.

HiperNotícias

Júlio Campos

 

LEIA MAIS: Promessa de modernidade, VLT completa 8 anos sem conclusão

"Já foram aplicados mais de um bilhão de reais na obra, já tem R$ 300 milhões na conta e restam cerca de R$ 500 milhões para terminar. O que são 500 milhões para um estado que arrecada mais de 35 bilhões? O que não podemos é desperdiçar tudo o que já foi investido na obra", destacou.

Na avaliação de Júlio Campos, o transporte público já é subsidiado pelas prefeituras com a gratuidade para várias camadas da sociedade, como idosos, pessoas com deficiência, estudantes, dentre outros. Portanto, o Governo do Estado precisa dar continuidade.

"Apesar de o governador sinalizar de que não pretende concluir a obra, a discussão também passa pelo Senado, precisamos fazer uma frente para não deixar que isso ocorra, assim como os prefeitos de Cuiabá e de Várzea Grande".

LEIA MAIS: MP aciona Estado e pede condenação de R$ 3 mi por danos ambientais

Júlio também destaca que o Governo do Estado já gastou recursos públicos com desapropriações de imóveis, tem muitos que começaram a ser derrubados, outros estão em pé, mas abandonados. 

"Não há como ignorar essa realidade. Pelo menos inicialmente é preciso concluir o trecho do VLT do Aeroporto ao CPA, depois conclui do Centro ao Coxipó, se for o caso de não conseguir tocar as duas obras ao mesmo tempo".

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros