Quarta-Feira, 18 de Março de 2020, 10h:16

Tamanho do texto A - A+

Bezerra diz que ministra errou ao adiar eleição para Senado em MT

Por: JOELMA PONTES

O deputado federal, Carlos Bezerra (MDB), afastado temporariamente da Câmara Federal, devido a pandemia do coronavírus, disse que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) errou ao suspender a eleição suplementar ao Senado, marcada para o dia 26 de abril, em Mato Grosso. A decisão foi anunciada nesta terça-feira (17) pela presidente da Corte, ministra Rosa Weber, e o prazo é por tempo indeterminado.

Alan Cosme/HiperNoticias

carlos bezerra

 

O MDB de Carlos Bezerra, apoia a candidatura do vice-governador Otaviano Pivetta (PDT) na disputa da vaga da juíza aposentada e senadora cassada, Selma Arruda (Podemos) e seus suplentes Gilberto Possamai e Clerie Fabiana. Em sua decisão, Weber foi incisiva ao afirmar que a nova data será agendada com “maior brevidade possível”, sem descartar a efetivação do pleito este ano.

“Acredito que foi um erro adiar essa eleição. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) está preparado para atender esse pleito suplementar. É uma eleição mais rápida, apenas um candidato, então não vejo motivos para suspendê-la, até porque precisamos resolver logo essa questão da senadora cassada. Mas, se a Justiça decidiu por aguardar, vamos respeitar”, comentou o líder emedebista.

O emedebista ainda garantiu que o apoio ao nome de Pivetta ao Senado será mantido, mesmo que a campanha suplementar seja realizada em outubro, juntamente com as eleições municipais para eleger prefeitos e vereadores. “A parceria vai continuar, dentro de uma coligação com o nosso partido que trabalhará para eleger o maior número de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores no estado”, assegurou.

Decisão favorece Faváro

Com a decisão de Rosa Weber, de suspender a realização das eleições em 26 de abril, aumenta a chance de Carlos Fávaro assumir a vaga, pois no final de janeiro, o presidente do Supremo Tribunal Federal STF, ministro Dias Toffoli, determinou que o terceiro candidato mais votado nas eleições de 2018, com 15,80% dos votos válidos (434.972), assumisse a cadeira de Selma Arruda, interinamente, até que novas eleições fossem realizadas no estado, neste caso, em abril deste ano.

Contudo, para que Fávaro ocupe a cadeira de Selma, é necessário que a Mesa Diretora do Senado cumpra o rito, o que não aconteceu até o momento. Por essa razão, a senadora cassada pelo TSE ainda ocupa uma das 81 vagas no senado, com remuneração bruta de R$ 33,7 mil, auxílio-moradia e imóvel funcional, cota para serviços da atividade parlamentar (Ceap), verba transporte, passagens aéreas – algo perto de R$ 40 mil –, além de outras despesas.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei



3 Comentários

Eduardo - 18/03/2020

Esse velho gagá e cacareco do Bezerra, tá preocupado com o adiamento da eleição para outubro, com medo de ter que devolver a grana $$$solta, que tomou do PIVETA para lhe apoiar. Isso e´tipico" do Bezerra. Vendeu caro a mercadoria e não ia entregar,pois 66% do MDB iam com Julio e Favaro...

João - 18/03/2020

Não vê motivo, pois, só enxerga o próprio umbigo.

waldomiro lopes - 18/03/2020

Esse cara acha que só ele é que sabe das cousas. Tá passando da hora de se aposentar

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA