Terça-feira, 25 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,39
euro R$ 5,79
libra R$ 5,79

Polícia Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 10:57 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 10h:57 - A | A

OPERAÇÃO DIAPHTHORA

Delegado que chefiava "gabinete do crime" em MT é indiciado por associação criminosa e corrupção

Inquérito foi encaminhado ao MPMT, que já ofereceu denúncia contra Geordan Fontenelle e o investigador Marcos Paulo Angeli; crimes atribuídos a ele ainda são advocacia administrativa e falsidade ideológica

SABRINA VENTRESQUI
Da Redação

A Polícia Civil concluiu o inquérito que apurou os crimes praticados pelo delegado Geordan Fontenelle, preso na 'Operação Diaphthora', deflagrada em abril deste ano. Ele é acusado de chefiar um verdadeiro ‘gabinete do crime’ em Peixoto de Azevedo (674 km de Cuiabá), onde atuava, e foi indiciado por corrupção passiva, associação criminosa, advocacia administrativa e falsidade ideológica.

LEIA MAIS: "Braço direito" de Zema em Brasília servia de laranja para delegado que chefiava "gabinete do crime"

O investigador Marcos Paulo Angeli, também alvo da ação policial, foi indiciado por corrupção passiva e associação criminosa. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público Estadual, que já ofereceu denúncia contra as duas autoridades policiais. 

Na quinta-feira (16), a Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) soltou o delegado. A decisão que determinou a soltura levou em consideração parecer favorável do Ministério Público. No entanto, a Justiça impôs medidas cautelares.

Dessa forma,  Geordan será monitorado por tornozeleira eletrônica, permanecerá afastado do cargo e teve o porte de arma suspenso. 

LEIA MAIS: Delegado acusado de chefiar “gabinete do crime” em Peixoto é solto pela Justiça

OPERAÇÃO DIAPHTHORA

Fontenelle começou a ser investigado pela própria corporação depois que o Núcleo de Inteligência da Corregedoria Geral da Polícia Civil recebeu denúncias sobre o envolvimento de policiais civis, advogado e garimpeiros da região de Peixoto de Azevedo em situações como a solicitação de vantagens indevidas, advocacia administrativa e ainda o assessoramento de segurança privada pela autoridade policial, caracterizando a formação e uma associação criminosa no município.

A apuração demonstrou que o delegado recebia propina mensal de garimpeiros da cidade. O 'mensalinho' era repassado pela Cooperativa dos Garimpeiros de Peixoto (Coogavepe) ao delegado em troca de favorecimento a eles. Em conversas interceptadas nas investigações, Fontenelle admite receber a propina e demonstra preocupação com o provável fim do repasse em função da deflagração da 'Operação Hermes', da Polícia Federal, que mirou o comércio ilegal de mercúrio.

Geordan Fontenelle foi preso no dia 17 de abril no bojo da 'Diaphthora', que descortinou a existência de uma associação criminosa composta por policiais civis, advogado e garimpeiros da região de Peixoto de Azevedo. Além das vantagens ilegais, a polícia constatou a prática de advocacia administrativa e ainda o assessoramento de segurança privada pela autoridade policial. 

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros