Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Mundo Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 17:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 17h:45 - A | A

Juiz ordena que governo Milei distribua 5 mil toneladas em alimentos armazenados

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O juiz Sebastián Casanello determinou que o governo da Argentina distribua os cinco milhões de quilos (ou 5 mil toneladas) de alimentos armazenados em refeitórios populares que atendem milhares de famílias empobrecidas no país. Em decisão, o magistrado ordenou ao Ministério de Capital Humano que apresente, em um prazo de 72 horas, o estoque atual de produtos e suas datas de validade.

Em resposta à determinação, o porta-voz da presidência, Manuel Adorni, disse que vai recorrer da decisão. "A justiça não pode interferir na política pública", justificou. Adorni também acrescentou que os alimentos são reservados de forma preventiva para os casos de emergências e catástrofes.

Segundo críticas das organizações sociais argentinas, durante o plano de corte de gastos públicos estabelecido pelo governo de Milei, a pasta interrompeu a entrega de alimentos aos refeitórios que assistem famílias em vulnerabilidade. Além disso, o presidente também suspendeu os subsídios a milhares de pessoas por incompatibilidade para acessar o benefício e tentou limitar a influência das organizações sociais ao redirecionar a entrega de alimentos com outros intermediários, como organizações religiosas.

Atualmente, a pobreza na Argentina afeta cerca de 42% da população, o equivalente a 47 milhões de pessoas.

Em decisão separada, o juiz Sebastián Casanello também convocou o líder da organização Polo Obrero, Eduardo Belliboni, e cerca de 20 membros da organização de esquerda para uma investigação pela suposta administração fraudulenta de recursos no âmbito do Plano Potenciar Trabajo, que atribuiu tarefas de trabalho para pessoas sem recursos. As audiências perante o magistrado foram marcadas para junho.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros