Quarta-feira, 24 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,59
euro R$ 6,07
libra R$ 6,07

Justiça Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 09:05 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 09h:05 - A | A

R$ 10 MIL MENSAIS

TJ mantém desconto em aposentadoria de ex-secretário condenado a devolver R$ 1,7 mi

Fraude ocorreu na gestão do ex-governador Dante de Oliveira

RAFAEL COSTA
Da Redação

O Tribunal de Justiça autorizou o desconto de 30% na aposentadoria do ex-secretário de Estado de Educação, Carlos Carlão Pereira do Nascimento, para garantir aos cofres públicos a devolução de R$ 1,708 milhão em decorrência de uma condenação por improbidade administrativa. A decisão da Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo foi publicada nesta quarta-feira (23), no Diário da Justiça.

Os desembargadores mantiveram a decisão da juíza da Vara Especializada em Ações Coletivas, Célia Regina Vidotti, que autorizou os descontos. A defesa recorreu a segunda instância alegando que os descontos ferem o princípio da dignidade humana ao prejudicar o sustento do ex-secretário, atualmente na terceira idade.

No entanto, os magistrados entenderam que a penhora salarial é válida quando assegurado ao devedor e a sua família uma sobrevivência digna. Carlão recebe aposentadoria mensal de R$ 33.757 mil, sendo R$ 19 mil do FAP (Fundo de Aposentadoria Parlamentar) pago pela Assembleia Legislativa e outros R$ 14 mil de aposentadoria como professor do IFMT (Instituto Federal de Mato Grosso).

"Logo, a interpretação da impenhorabilidade salarial não deve ser realizada de forma absoluta, devendo ser mitigada nos casos em que está em jogo a tutela do interesse público, em que se objetiva reparar os danos causados por atos que violaram a moralidade pública", diz um dos trechos da decisão.

Participaram do julgamento o desembargador Márcio Vidal e as desembargadoras Maria Erotides Kneip e Helena Maria Bezerra Ramos.

Em 2014, o ex-secretário Carlos Carlão do Nascimento foi condenado a devolver R$ 1,7 milhão aos cofres públicos pela suspeita de participação em fraudes para contratação de uma empresa numa licitação pública.

A empresa favorecida pela fraude deveria ser especializada em serviços de consultoria educacional, capacitação pedagógica, elaboração e fornecimento de lvros/textos correlatos para o ensino médio da rede pública.

O Ministério Público diz que todo o processo foi forjado para desviar dinheiro público em favor de agentes públicos e particulares. Ainda foram condenados o ex-presidente da Comissão de Licitação da Secretaria de Educação, Adilson Moreira da Silva, e a empresa Jowen Assessoria Pedagógica LTDA.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros