Sexta-feira, 12 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,45
euro R$ 5,92
libra R$ 5,92

Justiça Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2022, 13:37 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2022, 13h:37 - A | A

ATROPELOU VERDUREIRO

Ministério Público recorre contra decisão que "livrou" Letícia Bortolini de Tribunal do Júri

As razões recursais ainda devem ser apresentadas pelo Ministério Público que tenta reverter o entendimento do juiz Wladymir Perri

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O promotor de Justiça Vinicius Gahyva Martins protocolou recurso em sentido estrito contra decisão que desqualificou as imputações criminais atribuídas à médica Letícia Bortolini. Ela responde pelo atropelamento do verdureiro Francisco Lúcio Maia, morto em abril de 2018. Originalmente, ela era processada por homicídio doloso, mas foi poupada de enfrentar o Tribunal do Júri por determinação do o juiz Wladymir Perri. Agora, o Ministério Público quer reverter a desqualificação e pediu vista dos autos para apresentação das razões recursais. 

Letícia Bortolini foi 'poupada' em decisão do dia 24 de novembro na qual Wladymir Perri alegou não haverem provas contudentes que pudessem comprovar a conduta dolosa da médica. A desqualificação do homicídio doloso não foi a única vitória de Letícia Bortolini no caso, que foi absolvida em processo administrativo no âmbito do Conselho Regional de Medicina (CRM). 

Quando da desqualificação das imputações criminais, Perri mencionou contradições entre as versões dos policiais militares e testemunhas arroladas pela acusação e a anulação de laudos periciais que poderiam, em tese, confirmar o excesso de velocidade em que Letícia dirigia o veículo que atingiu e matou o verdureiro Francisco Lúcio Maia. 

CASO SEMELHANTE

O pedido de desqualificação das imputações criminais atribuídas à médica teve como base caso semelhante em que a ré, a bióloga Rafaela Screnci, também foi poupada de passar pelo crivo do Tribunal do Júri por decisão do juiz Wladymir Perri. Rafaela dirigia o veículo que atingiu três jovens em frente à boate Valley, também em 2018. Dois deles morreram. 

LEIA MAIS: Advogados de médica citam caso Valley e sustentam que verdureiro também contribuiu para morte

No caso de Rafaela, as razões recursais para a contestação de decisão de Perri guardam relação com os vinculos familiares de uma das vítimas, Ramon Viveiros, filho do procurador aposentado Marcos Viveiros com quem Wladymir Perri teria rusgas do passado. 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros