Quinta-feira, 23 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,15
euro R$ 5,58
libra R$ 5,58

Justiça Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 17:49 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 14 de Maio de 2024, 17h:49 - A | A

REPRESENTADO NO CNJ

Corregedor dá 15 dias para MP apresentar mais provas contra juiz do caso Zampieri

Ministério Público alegou que "causa estranheza" o fato de que Wladymir Perri não só autorizou o acesso irrestrito aos dados do celular do advogado assassinado, como facultou o acesso do material apreendido exclusivamente a si

RAYNNA NICOLAS
Da Redação

O corregedor nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, deu prazo de 15 dias para que o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) apresente provas contra o juiz Wladymir Perri, alvo de representação no Conselho Nacional de Justiça. No documento protocolado pelo MP, o órgão ministerial levantou suspeitas sobre a condução do processo relativo à apuração do homicídio do advogado Roberto Zampieri na 12ª Vara Criminal de Cuiabá. 

O Ministério Público questionou a atitude do magistrado em permitir acesso irrestrito ao conteúdo extraído do celular da vítima e, posteriormente, decretar sigilo aos autos. De acordo com o MP, Perri também determinou à polícia que qualquer material a ser entregue pela autoridade policial deveria ser protocolada de forma física na Secretaria da Vara.

Dessa forma, teriam sido apresentados documentos lacrados ao Judiciário e sem que houvesse o acompanhamento das partes, foram violados os envelopes que continham o HD com os dados celulares e a agenda da vítima. Também não foi acostado aos autos o resultado das análises desse material. 

"Fato é que causa estranheza e perplexidade a conduta do Magistrado WLADYMIR PERRI em: 01. Autorizar o amplo acesso aos objetos apreendidos para, incontinenti, restringir e determinar que a Autoridade Policial os apresentasse exclusivamente a ele, inclusive relatórios técnicos, por meio físico; 02. Decretar sigilo dos autos, fora das hipóteses legais e regulamentares; 03. Promover o deslacre do material apreendido outorgando a si a exclusividade de irrestrito acesso a ele", diz trecho da representação. 

Analisando as informações, o corregedor nacional reconheceu a gravidade dos fatos narrados, mas ponderou que mais elementos comprobatórios devem ser juntados aos autos. Diante disso, deu 15 dias para que o MPMT indique mais elementos que corroborem com as acusações.

Diante das informações e considerando o sigilo do processo acerca da morte de Zampieri, Luis Felipe Salomão também determinou que a representação no CNJ tramite de forma sigilosa. 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros