Segunda-Feira, 04 de Setembro de 2017, 17h:25

Tamanho do texto A - A+

Petrobrás anuncia nova alta de gasolina e consumidores já pagam 11% a mais

Por: ESTADÃO CONTEÚDO

A Petrobrás anunciou nesta segunda-feira, 4, nova elevação nos preços da gasolina em suas refinarias, que passam a acumular alta de mais de 10% em poucos dias de setembro, após o furacão Harvey fechar refinarias nos Estados Unidos e levar a uma disparada nos valores de referência do combustível na semana passada.

 

Reprodução

combustivel gasolina etanol

 

A estatal disse em comunicado que o novo reajuste foi decidido por seu Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP), convocado quando há necessidade de reajustar os combustíveis em mais de 7% para cima ou para baixo em um único mês.


"Na última semana, em face dos impactos do furacão Harvey na operação das refinarias, oleodutos, e terminais de petróleo e derivados no Golfo do México, os mercados de derivados sofreram variações intensas de preços", disse a Petrobrás em nota sobre os reajustes desta segunda-feira.

 

Nesta segunda-feira, a Petrobrás anunciou alta de 3,3% na gasolina, a partir de terça-feira. Na semana passada a companhia já havia anunciado reajustes de 4,2% e 2,7% para a gasolina. No diesel, o reajuste anunciado nesta segunda-feira foi marginal, de 0,1%. Antes o combustível havia subido 0,8% e 4,4%.

 

Apesar da convocação do grupo de preços para autorizar reajustes logo no início do mês, a Petrobrás afirmou que a avaliação dos executivos do GEMP é de que a companhia tem conseguido praticar valores adequados às volatilidades dos mercados de derivados e do câmbio.

 

Especialistas do mercado já apontavam que os efeitos do Harvey deviam pressionar a Petrobrás a novos reajustes na gasolina, devido às promessas da companhia de não praticar preços abaixo da paridade internacional.

 

Os impactos da tempestade nos EUA, no entanto, começam a ser dissipados nesta semana, com refinarias retomando lentamente suas atividades. Os preços de referência da gasolina nos Estados Unidos caíam cerca de 4% nesta segunda-feira para os níveis mais baixos desde 25 de agosto, quando o Harvey atingiu o continente.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto