Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

Economia Terça-feira, 19 de Março de 2024, 13:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 13h:00 - A | A

BCE diz que impacto de choques na produtividade é incerto no médio prazo

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O Banco Central Europeu (BCE) discute em texto publicado nesta terça-feira, 19, choques recentes e mudanças estruturais em andamento na zona do euro e seus efeitos na produtividade. Na avaliação do BC, ainda é incerto como esse quadro afetará as perspectivas de produtividade no médio prazo. A análise está em um artigo no Boletim Econômico do BCE, assinado por Paloma Lopez-Garcia, Brindusa Anghel, Gert Bijnens, Simon Bunel, Tibor Lalinsky, Wolfgang Modery e Maria T. Valderrama, do quadro da instituição.

Os autores lembram que, nos últimos anos, houve uma série de choques na economia da zona do euro, como a pandemia da covid-19, e as mudanças no setor de energia após a Rússia invadir a Ucrânia, com sanções subsequentes.

Esses fatores interagem com transições em andamento, como a busca por uma economia mais verde e a digitalização. O resultado geral desses choques nas perspectivas de produtividade no médio prazo na zona do euro é algo incerto e isso varia a depender do horizonte temporal, argumentam.

Segundo a análise, as respostas "generosas e rápidas" na política nacional e no nível europeu à pandemia e às medidas de lockdown relacionadas ajudaram a conter o tamanho e a duração dos efeitos do problema sobre as famílias e as empresas.

O artigo avalia que a realocação de recursos que permite maior produtividade não sofreu grande distorção em 2020, mas nota que a pandemia e o apoio da política reduziram o efeito de "limpeza" de uma crise, comparada com ocasiões anteriores similares.

O impacto no nível das empresas da digitalização "tem sido relativamente modesto até agora", segundo a análise. Uma das razões principais para isso é que poucas empresas têm se beneficiado mais da digitalização, enquanto outras precisam investir em habilidades digitais relevantes e em complementaridades intangíveis para aproveitar todo o ganho potencial na produtividade oriundo da digitalização. "Esse processo se refletirá nos ganhos de produtividade agregada ao longo do mais longo prazo", afirma.

O transição verde também pode impulsionar a produtividade, "mas isso levará tempo", avaliam. No curto a médio prazo, pode haver inclusive redução no crescimento da produtividade, com os ajustes necessários nesse processo, apontam.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

 

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros