Copa Pantanal Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 15:31 - A | A

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011, 15h:31 - A | A

NOVELA

Silval não confirma Éder na Secopa e diz que VLT custará R$ 1 bilhão

Governador põe água fria na fervura e diz que só fala em nomes para a nova secretaria depois de a Assembleia aprovar o projeto; Silval também fala sobre autorização de empréstimo para o VLT

Ednilson Aguiar/Secom-MT

Chefe da Casa Civl, José Lacerda, também disse, em um programa de TV, que nome de Eder não está confirmado para Secopa
O presidente da Agecopa, Eder Moraes, que se declarou novo secretário extraordinário da Copa de 2014, não é nome certo para a Secopa, como havia até admitido o próprio governo, há uma semana. Os projetos de criação da Secretaria da Copa e outro que pede autorização do Parlamento para empréstimos de R$ 740 milhões devem ir a plenário nesta terça-feira (27).

Muitas críticas, inclusive de deputados da Assembleia Legislativa, superexposição e um bombardeio de requerimentos tanta do parlamento como do Ministério Público teriam acendido o alerta no Paiaguás e o governador Silval Barbosa (PMDB), nesta segunda sequer admitiu a possibilidade que Eder seja o nome mais cotado para comandar a nova Secretaria, como admitiu o chefe da Casa Civil José Lacerda, ao HiperNotícias, na semana passada, e neste domingo no programa Ponto de Vista (Rede TV!, canal 47).

“Só vou definir quem será o secretário depois que o projeto for aprovado pela Assembleia, ainda não defini nada”, disse Silval, alegando que não vai tolerar mais intrigas internas, pois agora com a Secopa terá como demitir quem estiver travando as ações para a Copa 2014.

Questionado sobre a vaidade e o falta de humildade de Eder Moraes, como criticaram deputados como José Riva(PP), Admir Bruneto(PT) e Romoaldo Junior (PMDB), o governador argumentou que “todo cidadão que ocupar um cargo público tem quer humildade e saber que está trabalhando em prol do povo e para o povo”.

VLT

O projeto de implantação do VLT vai mesmo romper a barreira do R$ 1 bilhão, conforme admitiu no fim desta manhã em Cuiabá, o governador Silval Barbosa.

Esse valor, porém, não está explicitado no projeto do governo que tramita na Assembleia Legislativa e que pede autorização para contratação de empréstimo no valor de R$ 740 milhões junto à Caixa Econômica Federal.

“Eu tenho um projeto já aprovado de trezentos e poucos milhões de reais que eram para o BRT, esse montante não precisa mais de aprovação e estimamos que esse projeto, com base em preços nacionais e internacionais, deve girar em torno de R$ 1 bilhão mais ou menos já que é o processo licitatório que vai dizer e o que está faltando é a diferença do era do BRT para o VLT e é isso que pedimos autorização para Assembleia, para não termo problema de recurso na execução da obra”, disse Silval.

Atento, o Ministério Público já está cobrando dos diretores da Agecopa, que deve ser extinta esta semana, pedindo mais transparência quanto às ações do governo voltadas para a Copa do Mundo, especialmente sobre os processos licitatórios e o quanto aos valores do VLT, já que para o MP até agora já surgiram três valores de R$ 700 milhões, além outras dúvidas quanto aos gastos diretos com a Copa 2014.

“Como querer transparência de obra se ela sequer foi licitada, a única que licitamos até agora foi o Estádio (Arena) e quem quiser pode ir lá ver, já as outras obras vamos ver o projeto que vai dimensionar o preço por meio de licitação e a partir daí fica livre para quem quiser fiscalizar, seja MP, TCE, auditorias enfim”, disse Silval.


Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros