Copa Pantanal Sexta-feira, 11 de Novembro de 2011, 06:46 - A | A

Sexta-feira, 11 de Novembro de 2011, 06h:46 - A | A

OPINIÃO

'Se eu sou o governador eu demitia os dois', diz Riva sobre Eder e Brito

Presidente da Assembleia Legislativa fala em tom firme que continuação de Eder Moraes à frente da Secopa ainda vai provocar estragos no Executivo

PAULO COELHO / ENVIADO ESPECIAL

 

Mayke Toscano/Hipernotícias

Ex-presidente da Agecopa e atual dirigente da Secopa, Eder Moraes, quer manter compra de ao menos duas Land Rovers com radares russos

 

O governador Silval Barbosa (PMDB) deveria ter demitido os ex-dirigentes da extinta Agecopa, Eder Moraes (presidente) e Carlos Brito (Infraestrutura) e não somente este último, como aconteceu.

A opinião é do deputado estadual José Riva (PSD), presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso que, na noite desta quinta-feira (10) voltou a comentar a crise, na antiga autarquia, que envolveu os dois dirigentes.

“Se eu sou o governador eu demitiria os dois, porque o coletivo tem que estar acima disso tudo”, disse. Riva participa da 2ª Rota da Integração no Vale do Araguaia, região onde já surge movimento separatista do Estado.

Segundo o parlamentar, o cancelamento do contrato do governo com a Global Tech foi feito de forma acertada, mas ponderou que a Assembleia não deixará de cobrar providências da Secopa a respeito das explicações de Eder Moraes em torno dos R$ 2 milhões pagos à empresa e que, até agora, não apareceram em nenhum balancete ou a prestação de contas, tanto da Secretaria Extraordinária da Copa 2014, quanto da extinta Agecopa.

“Não posso dizer que foi um contrato superfaturado, mas houve precipitação e vamos fiscalizar até cobrar explicações até o esclarecimento”, apontou.

O presidente da Assembleia ainda reforçou que as ações voltadas para a Copa de 2014 têm de partir e serem centralizadas no chefe do Executivo.

“Acho que se o Eder aparecer menos e compartilhar mais as decisões com o governador, ele vai errar menos. A decisão do governador foi de mantê-lo, mas não se pode confundir arrojo com precipitação e na briga com o Brito ele não podia ter sido tão intransigente”, opinou.

José Riva, porém, negou que esteja dizendo que Silval Barbosa errou em manter Eder no governo, mas reforçou que o correto seria exonerar os dois.

INSISTÊNCIA

Mesmo sem explicar o destino dos R$ 2,1 milhões “dados” para a Global Tech, Eder Moraes insiste em afirmar que a verba foi uma espécie de adiantamento para a empresa fornecer as duas Land Rovers com radares russos.

Seria uma forma de dar explicações ao diretores da Global Tech, Adhemar Luiz de Carvalho Lima e Carlos Alberto Pereira Marsiglia. Ambos são tenentes-coronéis do Exército. O primeiro é aposentado e o outro está lotado na Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlado, o mesmo que emitiu parecer que desautorizou a Global Tech em importar os equipamentos russos.

ENTENDA

O Governo do Estado anulou o contrato com a Global Tech, que foi chamada por determinação de Eder Moraes, quando ainda conduzia a Agecopa, para importar 10 veículos Land Rovers equipadas com radares russos, que seriam utilizados no patrulhamento da fronteira de Mato Grosso com a Bolívia. O contrato foi anulado no dia 4 deste mês.

Depois de HiperNoticias publicar com exclusividade documento do Exército Brasileiro que afirmava não ter autorizado a Global Tech em realizar tal operação internacional, o governador Silval Barbosa resolveu cancelar o contrato e realizar nova licitação, desta vez com chamada internacional.

 

 

 

 

 

 

Comente esta notícia

Paulo Mattos 11/11/2011

Pelo menos um boníssimo sinal, uma luz no horizonte. Quando o homem que mais manda em Mato Grosso, poderoso chefão acima até do Governador do Estado comenta que "demitiria os dois, Éder e Brito" (este último já demitido), já dá para depreender que, finalmente e graças a Deus, os dias do aprendiz de chefão, Éder Moraes, estão contados. Para a moralização, quem sabe ?, da tal Secopa e para que os trabalhos, atrasadíssimos, pelo menos se desenvolvam concretamente. Aguardemos para ver. Com paciência.

Paulo Mattos 11/11/2011

Pelo menos um boníssimo sinal, uma luz no horizonte. Quando o homem que mais manda em Mato Grosso, poderoso chefão acima até do Governador do Estado comenta que \"demitiria os dois, Éder e Brito\" (este último já demitido), já dá para depreender que, finalmente e graças a Deus, os dias do aprendiz de chefão, Éder Moraes, estão contados. Para a moralização, quem sabe ?, da tal Secopa e para que os trabalhos, atrasadíssimos, pelo menos se desenvolvam concretamente. Aguardemos para ver. Com paciência.

2 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros