Copa Pantanal Terça-feira, 23 de Agosto de 2011, 20:26 - A | A

Terça-feira, 23 de Agosto de 2011, 20h:26 - A | A

EM BRASÍLIA

Reunião de ministra com governador define questões técnicas para o VLT

Presidente Dilma concordou com argumentos do modal de transporte apresentados por Silval Barbosa, que hoje se reúne com ministra do Planejamento, Miriam Belchior

DA REDAÇÃO

Aliana Camargo/Hipernoticias

Preocupados com desapropriações, comerciantes promoveram protestos em Cuiabá

A ministra Miriam Belchior (Planejamento) define na tarde desta quarta-feira (24), em Brasília, com o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), questões técnicas para assegurar recursos à implantação do sistema VLT (veículo leve sobre trilho) e obras de travessia urbana para Cuiabá e Várzea Grande.

Na tarde desta terça-feira (23), a presidente Dilma Rousseff concordou com os argumentos apresentados por Silval Barbosa para implantar o VLT como modal de transportes para os dois municípios. A Capital de Mato Grosso vai sediar jogos da Copa do Mundo de Futebol em 2014.

Silval Barbosa, porém, mostrou-se cauteloso em relação aos detalhes da reunião com a ministra. Na avaliação do governador, depois do encontro com Miriam Belchior é que serão divulgados os pontos acertados entre os governos do Estado e Federal. Depois disso, afirmou Silval, é que será anunciado definitivamente o modal de transporte.

A reunião técnica com a ministra terá como pauta principal a forma como e de onde os recursos chegarão para as obras em Cuiabá e Várzea Grande. A construção do VLT, conforme estudos técnicos, deve chegar em R$ 1,1 bilhão.

Caso seja confirmada oficialmente a escolha do VLT, a maioria de comerciantes, principalmente da Avenida Tenente-Coronel Duarte (Prainha), e famílias que teriam imóveis desapropriados, vão ficar mais tranquilos.

FIM DA NOVELA

Com a escolha do VLT, o sistema inicialmente planejado para os dois municípios, que era o BRT (bus rapid sistem), será definitivamente colocado de lado. A implantação do BRT ficaria em torno de R$ 490 milhões, recursos estes já disponibilizados pela Caixa Econômica.

No início do ano, a Agecopa, quando ainda era dirigida por Yenes Magalhães, o sistema BRT estava praticamente escolhido. Depois, com a chegada do ex-secretário da Casa Civil, Eder Moraes, o modal passou a ser o VLT que, inclusive teve como principal apoiador o presidente da Assembleia Legislativa, José Riva.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros