Copa Pantanal Quarta-feira, 20 de Abril de 2011, 17:07 - A | A

Quarta-feira, 20 de Abril de 2011, 17h:07 - A | A

AGECOPA

Para Rabello, não houve sabatina, e sim formalização de "consenso"

Deputado do PP lembra que definição da ida de Eder para Agecopa já tinha sido tomada durante reunião dos deputados com o governador, o que tornou a sabatina ato meramente protocolar

DA REDAÇÃO

 

Mayke Toscano/Hipernotícias
Eder Moraes foi a Assembléia (terça) para ser sabatinado na companhia de seu sucessor na Casa Civil e do vice-governador Chico Daltro
Não houve sabatina, o que houve foi a confirmação de um consenso firmado no início desta semana no gabinete do governador Silval Barbosa [PMDB]. Assim respondeu a jornalistas o deputado estadual Walter Rabello [PP], um dos autores do projeto que alterou a lei da Agecopa, logo após a aprovação em plenário do nome de Éder Moraes para presidente da autarquia, na sessão plenária desta terça-feira. As informações são da assessoria do deputado.

 

Rabello lembrou que na reunião dos parlamentares com Silval, foi o único que se manteve neutro quanto o nome de Éder Moraes. “Apenas disse: a escolha é sua governador”, lembrou.

Embora tenha votado pela aprovação do novo presidente da Agecopa, Rabello foi um dos poucos a questionar Moraes, alertando sobre a Segurança Pública, já que ainda com a coordenação da Casa Civil comandada por Éder, o Executivo está mandando para a Assembléia projeto que altera a forma de reajuste salarial para os delegados, desatrelando os vencimentos deles aos do governador. A idéia da Mensagem é vincular a verba indenizatória dos delegados os salários dos mesmos, o que pode chegar a R$ 24 mil.

Walter Rabello alertou que esse será o primeiro grande embate de Éder Moraes com o governo, pois trata-se de uma medida que refletirá na segurança da Copa de 2014, uma vez que os oficiais da Polícia Militar também querem o mesmo benefício, sob pena de paralisação geral. A PM entende que deve ser respeitada a Constituição Federal que diz que todos devem ser tratados de forma igualitária.

“Eu serei o fiscalizador número um das ações do presidente Éder de Moraes, mas como um dos autores da mudança nesta lei, não posso deixar de desejar ao Éder boa sorte, até porque se ele for bem, todos ganhamos, já que queremos fazer bonito na copa; mas se ele vier a ser um fiasco, ficará ruim para todos nós”, lembrou em tom já de cobrança.

De Éder Moraes, diretamente do plenário, Walter ouviu uma demonstração de humildade: “Quero agradecer a Vossa Excelência palas palavras e dizer que as críticas que me fez, só me ajudaram a crescer”, admitiu Moraes, se referindo, por exemplo, a uma outra sabatina ocorrida em 2007, quando Éder Moraes era presidente da MT Fomento.

Na ocasião, entre outras coisas, Rabello acusou Moraes de estar fazendo autopropaganda, usando para isso a estrutura da daquela Agência.

“Mantenho minha neutralidade, não tenho nada contra e nem a favor do Éder, mas se tiver que cobrar estarei pronto”, completou o deputado Rabello.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros