Copa Pantanal Quinta-feira, 21 de Julho de 2011, 13:08 - A | A

Quinta-feira, 21 de Julho de 2011, 13h:08 - A | A

EM BRASÍLIA

Grupo Executivo do governo federal é quem vai decidir sobre modal de transporte

Representantes da Agecopa entregaram estudos que apontam o VLT como o melhor para Cuiabá e Várzea Grande

DA REDAÇÃO

O governo federal é quem vai decidir se o modal de transporte VLT (veículo leve sobre trilho) é apropriado para Cuiabá e Várzea Grande. Pelo menos essa é a informação fornecida pela diretoria da Agecopa, que esteve reunida com o Grupo Executivo da Copa (Gecopa) em Brasília, na quarta-feira (20). Conforme a assessoria, a definição acontece  na primeira quinzena de agosto.

Em reunião realizada no Ministério do Esporte, em Brasília, o presidente da Agecopa, Eder Moraes, apresentou informações técnicas sobre o modal e informou aos coordenadores do grupo que o VLT reduzirá as desapropriações significativamente.

Dados técnicos do estudo de viabilidade do metrô de superfície e um levantamento sobre o modal serão entregues ao Gecopa até a próxima segunda-feira (25), para subsidiar a análise. “O Gecopa aceitou nosso pedido para avaliação e isso é uma sinalização bastante positiva, pois nossas solicitações estão fundamentadas em relatórios técnicos”, disse Eder Moraes.

O coordenador-geral de Infraestrutura para a Copa de 2014, do Ministério do Planejamento, Guilherme Ramalho, destacou que apesar das limitações orçamentárias do Governo Federal e das preocupações com o prazo da realização de obras em todo o Brasil, o grupo está sensibilizado com a causa apresentada pelos diretores da Agecopa.

“As informações serão levadas aos ministros das pastas responsáveis e em conjunto com a presidente Dilma Rousseff , as decisões serão anunciadas no início de agosto”, disse Ramalho. O presidente da Agecopa frisou que o Estado de Mato Grosso possui uma capacidade de endividamento de R$2,5 bilhões e por isso a realização dos projetos da Copa do Mundo em Cuiabá não está limitada a aplicação de recursos federais.

A diretora de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide, manifestou preocupação com o alto número de desapropriações que podem ser geradas pelo projeto do Bus Rapid Transit (BRT) e com o custo indefinido das indenizações, que poderia superar R$1 bilhão.

A apresentação de informações da Agecopa no Ministério do Esporte faz parte de um cronograma do grupo de Brasília para monitoramento presencial da Matriz de Responsabilidades para a Copa do Mundo. “Somente hoje já nos reunimos com três cidades-sede”, apontou o executivo do BNDES, Luiz Souto. Os coordenadores trabalham para publicar a revisão da Matriz no 2º Balanço do Governo Brasileiro para Realização da Copa de 2014 até o final de agosto.

Além da mudança do modal, a Agecopa apresentou também o andamento das obras da Arena Pantanal, das obras de desbloqueio, das intervenções no Aeroporto Internacional Marechal Rondon e a situação das licitações das obras de travessia urbana vinculadas ao Dnit.

Comente esta notícia

Jean M. Van Den Haute 22/07/2011

O VLT foi definido como solução CERTA a partir de todos os dados disponíveis nas Secretarias Estaduais e Municipais pela própria população de Cuiabá durante a elaboração do artigo 11-XII do Plano Diretor Participativo de Cuiabá, em parceria com arquitetos do IPDU e técnicos da SMTU e da STU VG em 2006, o que virou LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL DE CUIABÁ n°150 em Janeiro de 2007. Não existe nenhum problema de recursos sendo que os usuários de transporte coletivo da Metrópole Cuiabana têm uma capacidade de endividamento de R$ 8 bilhões (Project Financing). O problema é que, numa operação financeira internacional em longo prazo é preciso apresentar as GARANTIAS POLÍTICAS oriundas da aplicação das Leis relacionadas ao ESTATUTO da CIDADE .... e a AGECOPA é inconstitucional, ou seja, não tem legalidade e nem competência internacional para tratar do assunto. Além disso, os recursos para o BRT,anunciados pelo DNIT, sempre foram “elucubração” e os recursos do PAC Mobilidade foram perdidos por falta de aplicação da LCE n°359 de 2009.

Roberto Moraes Ito 22/07/2011

A decisao está tomada há anos, será BRT!!! Por que? Pois é o único modelo que o Governo Federal aceita financiar! Quais são os modelos: Metrô,VLT e BRT. Os precos de cada: Metrô - R$ 200 milhoes o Km; VLT - R$ 45 milhoes o Km; e o BRT - R$ 11 milhoes o Km. O Vice-Gov. Silval Barbosa participou dessas decisões e agora o Governador Silval faz "Cara de paisagem", sabem por que? Porque há pressões do Sr. Governador José Riva. E sabem pq Riva Pressiona? Porque acha que o "Campo" está limpo para ser Governador em 2014. E dai? Dai quer comecar a fazer "Caixa" p/ a Campanha!!!

Francenildo Guimarães 21/07/2011

Essa copa pelo jeito não sai do papel. Já estamos no segundo semestre de 2011 e até agora a cidade continua a mesma. Não fizeram nenhuma intervenção para melhorar o trânsito, no orçamento, os investimentos para a segurança são mínimos, nem a Agecopa, nem o Estado estão alocando recursos específicos para isso (é só ir lá para conferir), na Educação, os recursos foram diminuídos para ampliar os recursos da Agecopa, porém, até agora, de concreto mesmo, só temos a viagem do Eder e Cia para a Europa. Dizem que tiraram o Yenês da diretoria para a coisa andar, mas, pelo jeito, o que acontece é o contrário, um jogo de empurra. A única coisa que mudou é o grupo que agora embolsa o dinheiro público.

3 comentários

1 de 1

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros