Sexta-Feira, 20 de Março de 2020, 14h:34

Tamanho do texto A - A+

Servidores reclamam que governo não libera ‘home office’

Por: JOELMA PONTES

A pandemia do coronavírus tem assustado servidores públicos estaduais, que ainda não foram dispensados pelo governo. Na manhã dessa sexta-feira (20), funcionários da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) fizeram manifestação cobrando o teletrabalho em toda pasta que ainda cumpre expediente normal.

Divulgação

Servidor público

 

De acordo com a secretaria, uma portaria liberando os trabalhadores do grupo de risco será publicada, mesmo assim servidores reclamam da falta de material de limpeza e que os turnos alternados não são suficientes.

“O governador recomendou que a população fique em casa o máximo que puder. Então, se podemos realizar o trabalho de nossas casas, não há motivos para expor os servidores ao risco”, afirma Graciele Meira, assistente social da Setasc.

Os cartazes pedem que o governador não seja omisso e reforçam a importância do isolamento. A ação denuncia as condições de proteção inadequadas a que os servidores da pasta são submetidos, além de cobrar medidas mais rígidas para que o serviço público ajude a conter a propagação da doença, a exemplo do teletrabalho às atividades não essenciais.

Para os servidores, a realização da manifestação nos corredores era a alternativa que lhes cabia no momento.  “É uma forma de dizer ao Governo que a situação é muito grave, os servidores de outros poderes já estão trabalhando de casa e não há razão para os do Executivo ficarem expostos ao vírus. O decreto estadual precisa abranger o isolamento do máximo possível de servidores públicos, pelo bem de toda a sociedade”, alertou o servidor da Setasc, Diego Tenório.

Decreto publicado pelo governo do Estado, libera grupos de risco como pessoas idosas a partir de 60 anos, pessoas com doenças crônicas, gestantes e lactantes. Além disso, o documento prevê a antecipação das férias nas escolas públicas de Mato Grosso até o dia 5 de abril.

Na noite desta quinta, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, anunciou novo relatório de infectados em Mato Grosso, que em 24 horas aumentou 130%, passando de 25 casos suspeitos para 59, com um confirmado.

O vírus que já se alastrou para mais de 100 países, conforme levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS), fez com que faculdades, academias e outros estabelecimentos fechassem as portas.

A Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça e Ministério Público adotaram o sistema ‘home office’, ou seja, o servidor cumprirá expediente, porém, em casa.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei