Cidades Terça-feira, 17 de Maio de 2011, 11:09 - A | A

Terça-feira, 17 de Maio de 2011, 11h:09 - A | A

GREVE NA EDUCAÇÃO

Prefeitura de Várzea Grande não cumpre lei básica da educação, diz Sintep

19 mil crianças da rede fundamental de ensino estão sem aulas

ALIANA F. CAMARGO
aliana@hipernoticias.com.br

Divulgação
Professores se reúnem todos os dias para definir situação da educação no município.

Em greve há dois dias a presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sintep), subsede de Várzea Grande, Maria Aparecida Cortez, afirma que a os gestores da cidade estão descumprindo em sua totalidade a Lei 11.738, que regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério que trabalham na educação básica.

De acordo com a lei, o professor da rede pública deve ganhar R$ 950 mensais, para a formação em nível médio, na modalidade normal. Porém, a atual gestão investe nos seus profissionais o valor de R$ 653.

Mergulhada em problemas que não se restringe apenas no setor da educação básica, Várzea Grande é palco de idas e vindas de prefeitos e secretários. Em abril o secretário de Educação era Wilton Coelho Pereira, que saiu e foi para a Secretaria de Governo; quem assumiu a pasta foi Isaac Abraão Nassarden que na sexta-feira (13) passou e ser subsecretario, cargo que ocupava anteriormente. Neste troca-troca a cidade está sem secretário de Educação.

Com essa situação, a sindicalista Maria Aparecida diz que está sendo difícil dialogar com os gestores. Enquanto isso, cerca de 19 mil crianças da rede básica de ensino estão sem aulas, o que afeta o dia a dia de milhares de famílias, inclusive no que compete a alimentação desses jovens alunos.

Através de dados obtidos do Instituto Brasileiro de Geográfica e Estatística (IBGE), Maria Aparecida diz  que demanda reprimida, ou seja, crianças que não podem estudar na cidade de Várzea Grande, é de 30 mil.

Segundo o Sintep (VG), as negociações estão sendo feitas desde 17 abril quando teve a primeira audiência com o prefeito da época, João Madureira. No dia 28 do mesmo mês houve outra audiência. No entanto, foi com o prefeito que havia tomado posse, Sebastião Gonçalves, mais conhecido como Tião da Zaeli. Por último, a audiência do dia 9 de maio foi feita com o atual prefeito Murilo Domingos. Maria Aparecida diz que, antes de entrarem em greve, tentou o diálogo nestas três vezes, mas nenhuma medida emergencial foi tomada para reverter a situação.

REIVINDICAÇÕES

Imagem da Internet
Com a greve 19 mil crianças estão sem estudar, e outras 30 mil estão fora da sala de aula porque não tem vaga na rede municipal.

O Sintep, subsede de Várzea Grande, coloca em pauta três grande eixos que devem ser melhorados: área administrativa, pedagógica e estrutural.

Na área administrativa, exigem a regularização de férias vencidas (muitos funcionários não tem férias há 3 anos, caso de muitos vigias), problemas de perícia médica e planos de cargos e salários, para citar alguns. Pagamento de sálarios de muitos professores que estão sem receber desde fevereiro deste ano.

Na parte pedagógica, Maria Aparecida diz que o município de Várzea Grande não tem política educacional consistente. “Não há uma lei específica que regulamente a política educacional aqui na  cidade”, aponta.

A estrutura é apontada como um dos setores mais deficientes, porque é a que recebe os milhares de alunos assistidos. “A maioria das escolas não atende as exigências do Plano Nacional de Educação. Tem creches com cerca de 25 crianças de 1 a 2 anos, isso está enquadrado como superlotação. Além de muitas escolas não terem refeitório, não tem biblioteca, nem brinquedoteca. Se fosse olhar a precariedade muitas unidades deveriam ser fechadas”, argumentou.

OUTRO LADO

O Hipernotícias entrou em contato com o secretário de Comunicação da cidade, Wilson Pires. Informou que o novo secretário que deve ser empossado nos próximos dias, Issac Nassarden, tomará posição o mais breve possível.

Wilson Pires adiantou que as folhas salariais dos professores estão regularizados, contrapondo o que disse anteriormente a sindicalista Maria Aparecida. Sobre a Plano de Cargos e Salários Wilson informou que está fechado com a categoria.

Sobre os outros problemas, o secretário afirma que a Prefeitura de Várzea Grande está tentando resolve-los aos poucos.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia


Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros