Sábado, 18 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Cidades Quinta-feira, 01 de Setembro de 2016, 09:07 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quinta-feira, 01 de Setembro de 2016, 09h:07 - A | A

APURAÇÃO E PERÍCIA

Polícia prende dois suspeitos no caso de envenenar achocolatado que matou criança

RAYANE ALVES

Dois homens foram detidos na manhã desta quarta-feira (1) acusados de envolvimento no suposto envenenamento de uma criança de dois anos que morreu após consumir um achocolatado Itambezinho, no dia 25 passado. 

 

Mayke Toscano/Hipernotícias

Deddica

 

À polícia, a  família contou que o menino Rhayrionchristian da Silva Santos começou a passar mal após ingerir a bebida. A mãe também bebeu o produto e se sentiu mal, assim como um tio da criança, que chegou a ficar internado.

 

Porém, segundo o site FolhaMax, em depoimento na Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente, a mãe da vítima informou que o pai do menino é usuário de drogas e acredita que a bebida tenha sido entregue envenenada por outros viciados na intenção de matar o homem.

 

No entanto, como o pai do menino decidiu não tomar o achocolatado e guardou na geladeira para o filho tomar, visto que a família enfrentava crise financeira e não tinha dinheiro para comprar o leite da criança.

 

No dia do registro do caso, por volta das 10h, a mãe informou que ela estava deitada na cama enquanto o companheiro saiu para fumar maconha na Praça Nossa Senhora Aparecida no bairro Parque Cuiabá, localizada próximo a sua residência.

 

Chegando lá, ele localizou Deuel, que também é usuário de drogas e carregava uma caixa de leite e alguns achocolatados da marca Itambé. 

 

Após consumirem drogas, o pai da criança deu uma quantia em dinheiro de um homem que aceitou entregar a caixa de leite e o achocolatado. Assim, ele levou os produtos para casa e guardou na geladeira, porém, contou a esposa que tinha comprado de um usuário de drogas. 

 

A partir daí, a criança acordou querendo comer e após conferir a data de validade deu o produto para o filho.

 

Passados alguns minutos, o menino começou a ficar ofegante e com a boca roxa.

 

A mãe disse que entrou em desespero e foi até a rua pedir ajuda. Um casal que passava de carro decidiu parar para ajudá-la e a encaminhou a Policlínica do Coxipó. Por uma hora, a equipe médica tentou reanimá-lo, por cerca de uma hora, mas a criança não resistiu e morreu no local. 

 

PRODUTO

No dia 29 de agosto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a comercialização do produto durante 90 dias em todo o país.

 

Reprodução

aNVISA

 

O achocolatado, interditado cautelarmente, foi fabricado no dia 25 de maio e tem validade até 21 de novembro de 2016.

 

Segundo a publicação da Anvisa, o lote será recolhido e armazenado até que um laudo aponte o motivo da morte da criança. A Polícia Civil, que investiga o caso, diz que o exame que determinará a causa da morte deve sair em 30 dias.

 

A Itambé, fabricante do produto, irá apresentar um mapa de distribuição do produto para facilitar o recolhimento do lote. Os produtos serão recolhidos dos estabelecimentos comerciais pelas vigilâncias sanitárias estaduais e municipais. Depois, a bebida será submetida a uma análise laboratorial. Caso não seja comprovada a contaminação do lote, o produto voltará a ser distribuído.

 

 

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros