Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Cidades Sexta-feira, 17 de Junho de 2016, 08:43 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Sexta-feira, 17 de Junho de 2016, 08h:43 - A | A

TIRO NO ROSTO

Juíza determina retirada de tornozeleira de cabeleireira que atirou em PM

MATO GROSSO MAIS

A Justiça de Mato Grosso determinou que seja retirada a tornozeleira eletrônica da cabelereira Ellen Gonçalves Santana, de 36 anos. A decisão é da juíza Maria Aparecida Fago, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá.

 

Alan Cosme/Hipernoticas

forum

 

Ellen, que é ré numa ação penal, é acusada de atirar contra o seu companheiro, o cabo da Polícia Militar, Alexsandro Moreira de Oliveira, de 38 anos. Ele é lotado na Casa Militar.

 

O PM trabalhava na segurança do governador Pedro Taques (PSDB), e foi baleado em 5 de abril de 2015, na casa da mãe dele, no bairro Jardim Independência, em Cuiabá.

 

Ellen foi presa suspeita de atirar contra o rosto do policial, mas ela alegou em sua defesa que o tiro que atingiu Alexsandro foi acidental. Durante cerca de 100 dias, Ellen ficou presa no presídio feminino Ana Maria do Couto May.

 

Por causa do ferimento à bala, o cabo ficou em coma e passou por cirurgia. No dia 14 de julho do ano passado, a suspeita deixou a prisão após conseguir um habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça do Estado.

 

Após o passar do tempo, a vítima e a acusada voltaram a viver juntos na casa da mãe da Ellen. Por causa disso, a juíza Maria Aparecida Fago decidiu tirar a tornozeleira de Ellen, mas manteve algumas restrições.

 

– proibição de mudar de residência ou ausentar-se da Comarca por mais de trinta dias, sem prévia comunicação e autorização da autoridade processante;

– comparecimento, perante a autoridade, todas as vezes que for intimada para ato a ser realizado e para eventual julgamento.

– proibição de aproximar-se e de manter contato com os familiares da vítima, por qualquer meio de comunicação, em face da animosidade demonstrada entre eles e a ré, no decorrer do ato processual, ocorrido no último dia 31 de maio de 2016.

 

Mesmo com o ‘perdão’ do companheiro, a ação penal deve ter sequência.

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros