Quarta-Feira, 25 de Março de 2020, 09h:55

Tamanho do texto A - A+

"Bolsonaro dificulta o trabalho de todos", afirmam secretários após pronunciamento do presidente

Por: WELLYNGTON SOUZA

O secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso Gilberto Figueiredo, juntamente com outros gestores que formam o Conselho Nacional dos Secretários da Saúde (Conass), afirmou por meio de carta que o pronunciamento do presidente da República Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (24), sobre reavaliar as medidas de prevenção à pandemia do coronavírus no país, desmobiliza a sociedade brasileira diante da crise causada pelo vírus e "dificulta o trabalho de todos, inclusive de seu ministro e técnicos".

No documento, a classe destaca ainda estar “estarrecida” com o discurso do presidente. 

HNT/HiperNotícias

Gilberto Figueiredo

 

“Ao invés de desfazer todo o esforço e sacrifício que temos feito junto com o povo brasileiro, negando todas as recomendações tecnicamente embasadas e defendidas, inclusive, pelo seu Ministério da Saúde, deveríamos ver o Presidente da República liderando a luta, contribuindo para este esforço e conduzindo a nação para onde se espera de seu principal governante: um lugar seguro para se viver, com saúde e bem estar”, diz um trecho da carta.

Na noite desta terça, em pouco mais de quatro minutos, Bolsonaro criticou a imprensa, repreendeu governadores e falou novamente em “histeria” e classificou o coronavírus como “resfriadinho”. O presidente também pediu o fim do confinamento em massa e reabertura das escolas. 

Na carta, os secretários de saúde afirmam que não é possível “permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. Assim, é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do Presidente da República”.

Os secretários afirmam, ainda, que “com saúde não se pode brincar e nem fazer apostas, diante do risco que corremos. É preciso discernimento, coragem e determinação para liderar, unificar e auxiliar a nação a superar mais este desafio de Emergência em Saúde Pública. A carta é finalizada com a hashtag #FicaEmCasa.

Casos de coronavírus em MT

O boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES) apontou que Mato Grosso registrou um novo confirmado de contágio pelo Covid-19, o coronavírus, nesta terça-feira (24). O balanço aponta também que as ocorrências suspeitas monitoradas pela pasta saltaram de 210 para 269, representando, assim, um aumento de quase 30%.

Conforme as informações divulgadas pela SES, Mato Grosso tem sete casos confirmados de contágio pelo Covid-19. A nova ocorrência registrada nesta terça-feira é de uma mulher de 32 anos moradora do município de Nova Monte Verde. 

A secretaria informou também que, dos casos suspeitos, 38 ocorrências já foram descartadas. Contudo, 13 pessoas seguem hospitalizadas em Mato Grosso sendo monitoradas pela pasta.

Ainda nesta terça-feira, o governador Mauro Mendes (DEM), anunciou que irá decretar estado de calamidade pública em Mato Grosso, como medida necessária para combater o coronavírus no estado. Os detalhes da medida serão editados e divulgados nesta quarta-feira (25), durante a reunião com o Gabinete de Situação, montado para monitorar a epidemia.

Leia abaixo a íntegra da carta do Conass:

Carta dos Secretários Estaduais de Saúde do Brasil após pronunciamento do Presidente da República

Assistimos estarrecidos ao pronunciamento em cadeia nacional do Presidente da República, Jair Bolsonaro.

É preciso demonstrar ao Brasil as suas consequências e a necessidade de que a população perceba a gravidade do momento que estamos vivendo. Temos, juntamente com o Ministério da Saúde, os municípios e a própria sociedade brasileira, empreendido uma intensa luta no enfrentamento da Covid-19.

Luta que envolve trabalho, sacrifício, solidariedade, empatia, compaixão com o sofrimento das pessoas e que depende de maneira imprescindível do alinhamento de entendimento e de ações, assim como da união de esforços e de uma direção única e firme.

Todas as decisões e recomendações do Conass e do Ministério da Saúde têm se baseado em evidências científicas, na realidade nacional e internacional e buscado inspiração nas melhores práticas e exemplos de condutas exitosas ao redor do mundo.

É este o esforço que temos empreendido em defesa de nossa pátria e de nossos irmãos e irmãs brasileiros. É dessa forma, desassombrada e corajosa, na direção correta que queremos seguir na missão de defender nossa gente.

Não temos qualquer intenção de politizar o problema. Temos construído, sem dificuldade, independente de colorações partidárias, políticas e ideológicas, consensos para o bem do Sistema Único de Saúde – o SUS e, sobretudo com a saúde do povo brasileiro. Este é nosso compromisso. É isso que norteia nossas ações e esforços. Já temos dificuldades demais para enfrentar.

Não podemos permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. Assim, é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do Presidente da República.

Ao invés de desfazer todo o esforço e sacrifício que temos feito junto com o povo brasileiro, negando todas as recomendações tecnicamente embasadas e defendidas, inclusive, pelo seu Ministério da Saúde, deveríamos ver o Presidente da República liderando a luta, contribuindo para este esforço e conduzindo a nação para onde se espera de seu principal governante: um lugar seguro para se viver, com saúde e bem estar.

Infelizmente o que vimos em seu pronunciamento foi uma tentativa de desmobilizar a sociedade brasileira, as autoridades sanitárias de todo o país. Sua fala dificulta o trabalho de todos, inclusive de seu ministro e técnicos.

Todo o apoio à atuação do Ministério da Saúde e sua equipe, que tem trabalhado técnica e cientificamente em todos os momentos. Com saúde não se pode brincar e nem fazer apostas, diante do risco que corremos. É preciso discernimento, coragem e determinação para liderar, unificar e auxiliar a nação a superar mais este desafio de Emergência em Saúde Pública.

Temos plena consciência de que o Brasil e o mundo irá enfrentar uma grave recessão econômica, aprofundamento das desigualdades sociais e empobrecimento. A economia, com trabalho, disciplina, organização e espírito público, se recuperará. Seremos solidários e trabalharemos sem descanso para permitir uma rápida recuperação da nossa economia.

Mas é preciso que se entenda, vidas perdidas, não serão recuperadas jamais. Que Deus abençoe cada um de nós que temos trabalhado intensivamente e dormido pouco. Que Deus abençoe e proteja todos os brasileiros e brasileiras.

#ficaemcasa

Secretários de Estado da Saúde do Brasil (Com informações da Veja)

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto