Quinta-feira, 18 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,48
euro R$ 6,00
libra R$ 6,00

Brasil Terça-feira, 19 de Março de 2024, 16:45 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 19 de Março de 2024, 16h:45 - A | A

PF liga fraude no cartão de vacina de Bolsonaro à tentativa de golpe de Estado

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Ao indiciar o ex-presidente Jair Bolsonaro por associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema de informação, a Polícia Federal correlacionou a fraude na carteira de vacinação do ex-chefe do Executivo à investigação que o colocou no centro de uma suposta tentativa de golpe de Estado.

Segundo os investigadores, o ex-presidente e seus aliados podem ter emitido os cartões de vacina falsificados para que, 'após a tentativa inicial de golpe de Estado, pudessem ter à disposição os documentos necessários para cumprir eventuais requisitos legais para entrada e permanência no exterior, aguardando a conclusão dos atos relacionados à nova tentativa de Golpe de Estado que eclodiu no dia 8 de janeiro de 2023'.

Nas redes sociais, o advogado Fábio Wajngarten, que representa o ex-presidente, disse que seu indiciamento é um 'absurdo'. Além do ex-chefe do Executivo, foram incriminados outros 16 investigados, entre eles o ex-ajudante de ordens da Presidência, tenente-coronel Mauro Cid, o deputado federal Gutemberg Reis de Oliveira e o ex-major do Exército Ailton Gonçalves Barros.

A indicação sobre a trama golpista foi feita quando o delegado Fábio Alvarez Shor explicou sobre a ligação das fraudes nas carteiras de investigação com as milícias digitais sob investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele destacou como a inserção de dados falsos de vacinação no sistema do SUS faz parte do eixo do inquérito que apura o "uso da estrutura do Estado para obtenção de vantagens ilícitas".

Segundo Shor, a estrutura criminosa criada em Duque de Caxias (RJ) - base da operacionalização das fraudes nas carteiras de vacinação - foi usada para que aliados de Bolsonaro "pudessem burlar as regras sanitárias impostas na pandemia e por outro lado, manter coeso o elemento identitário do grupo em relação a suas pautas ideológicas, no caso, sustentar o discurso voltado aos ataques à vacinação contra a Covid-19".

Em outro trecho do relatório final da Operação Venire, a PF diz ter identificado Bolsonaro como "difusor inicial das mensagens de conteúdos falsos ou não lastreados em relação às vacinas contra a covid, com objetivo criar um temor e descrédito na população, e com isso, manter coeso o elemento identitário do grupo em relação a suas pautas ideológicas".

"A recusa em suportar o ônus do posicionamento contrário a vacinação, associada à necessidade de manter hígida perante seus seguidores, a ideologia professada (não tomar vacina contra a covid-19), motivaram a série de condutas criminosas perpetradas", disse o delegado.

Indicação similiar já havia sido feita na representação para abertura da fase ostensiva da Venire, em maio de 2023, a qual prendeu Mauro Cid.

Já com a ponderação sobre o elo entre as fraudes na carteira de vacina e a trama golpista, a PF fecha ainda mais o cerco sobre Bolsonaro. Isso porque a Polícia Federal coloca a inserção de dados falsos no sistema do Ministério da Saúde dentro da cronologia do suposto plano de golpe sob investigação no Supremo.

De acordo com a PF, Bolsonaro deu a ordem para que Cid arranjasse os documentos falsos. O militar então teria buscado o ex-major do Exército Ailton Barros para operacionalizar a inserção dos dados falsos no sistema do SUS, com a ajuda do Secretário Municipal de Duque de Caxias, João Carlos de Sousa Brecha.

As informações falsas sobre as vacinas que Bolsonaro foram inseridas no sistema do SUS no dia 21 de dezembro de 2022. As doses teriam sido ministradas em agosto e outubro do mesmo ano, meses após a suposta imunização - o que levantou suspeitas da PF, vez que os dados, em geral, são enviados imediatamente ao Ministério da Saúde.

Seis dias depois, as informações foram excluídas por uma servidora, Claudia Helena Acosta Rodrigues da Silva (também indiciada) sob a justificativa de erro. O mesmo teria ocorrido com os dados da vacinação da filha do ex-presidente Laura Bolsonaro.

Nesse intervalo, no entanto, os certificados de vacinação do ex-presidente e de sua filha foram emitidos. Cid usou uma impressora do Palácio do Alvorada para imprimir no dia 22 de dezembro, dois arquivos: "Certificado de Vacinação Covid-19" e "Covid 19 National Vaccination Certificate". O delator ainda narrou que entregou os papéis nas mãos de Bolsonaro.

Uma semana antes da inserção de dados falsos no sistema do Ministério da Saúde ocorreu uma reunião, no gabinete do então ministro da Defesa Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, para apresentação da "minuta de golpe" aos comandantes das Forças Armadas. Ela foi apenas uma das que foram convocadas, pelo governo Jair Bolsonaro, para a discussão da suposta tentativa de golpe de Estado.

Tensa, a reunião do dia 14 de dezembro foi marcada pela pronta negativa, pelos ex-chefes do Exército, general Marco Antônio Freire Gomes, e da Aeronáutica, brigadeiro Carlos Almeida Baptista Júnior, de aderir à narrativa de Bolsonaro. Os detalhes do encontro foram narrados à PF em depoimentos tornados públicos na sexta-feira, 15.

Na ocasião, Oliveira disse aos comandantes que teria uma minuta, que gostaria de presentear para 'conhecimento e revisão'. Nesse momento, Baptista disse ter questionado: "Esse documento prevê a não assunção do cargo pelo novo presidente eleito?". Oliveira se calou e em seguida o brigadeiro disse que não admitira receber o papel.

Freire Gomes indicou ainda que a versão do decreto apresentada no dia 14 era diferente da que ele havia recebido em outra reunião, no dia 7 de dezembro. Foi em tal encontro que o ex-assessor de Bolsonaro, Filipe Martins teria lido os 'considerandos' de um primeiro decreto golpista. Na ocasião, o ex-chefe do Exército ouviu de Bolsonaro que 'o documento estava em estudo' e depois o ex-presidente 'reportaria a evolução aos comandantes'.

Assim, o quadro formado pelos investigadores coloca, cronologicamente, a investida em busca dos certificados falsos de vacinação logo após o estudo, pelo governo Jair Bolsonaro, de medidas de exceção para que ele se mantivesse no poder e a consequente negativa dos então chefes da FAB e do Exército - essa que contou até com alerta de uma possível prisão do ex-presidente.

Também no apagar das luzes do governo Bolsonaro ocorreu a tentativa de resgate de joias sauditas que acabaram apreendidas pela Receita Federal no Aeroporto de Guarulhos - caso revelado pelo Estadão. O confisco também passou a ser investigado pela PF e então foi descortinado um suposto esquema de venda de presentes entregues por autoridades de outros países ao governo Bolsonaro.

Bolsonaro deixou o País rumo aos EUA, no penúltimo dia de seu governo. Não participou da cerimônia de posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. E também não estava no Brasil quando radicais que o apoiavam invadiram a Praça dos Três Poderes e vandalizaram as dependências do Supremo, Congresso e Planalto.

Dias após a intentona golpista, a Polícia Federal vasculhou a casa do então secretário de segurança do Distrito Federal, Anderson Torres, ex-ministro da Justiça de Bolsonaro. Ele também estava fora do País no 8 de janeiro de 2023. Em sua residência, os investigadores encontraram uma versão da 'minuta golpista' - a qual, segundo Freire Gomes, teria sido apresentada no dia 14 de dezembro, após 'ajustes' feitas pelo ex-presidente.

O registro feito por Shor é o primeiro sobre a apuração entre a ligação entre o inquérito sobre as fraudes na carteira de vacinação e a investigação sobre o golpe de Estado. Trata-se de um indicativo de que os investigadores devem ser aprofundar nas apurações para buscar provas que sustentem tal hipótese de investigação.

Como mostrou o Estadão, a PF aguarda informações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos para identificar se o grupo usou os certificados de vacinação ideologicamente falsos para entrar naquele País. Segundo ele, a eventual confirmação pode configurar novas condutas ilícitas.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, deu 15 dias para que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre o relatório em que a Polícia Federal indicia o ex-presidente Jair Bolsonaro e mais 16 investigados pela fraude na carteira de vacinação do ex-chefe do Executivo.

Já no bojo do inquérito da suposta tentativa de golpe, a expectativa é a de que os investigadores, cruzem as informações dadas por Cid com os dados coletados nos diversos depoimentos prestados por militares de alta patente. A investigação também conta com as provas que já haviam sido coletadas, assim como as perícias dos matérias coletados na fase ostensiva da Operação Tempus Veritatis. A PF ainda pode fazer novas diligencias - inclusive oitivas - que possam esclarecer o passo a passo da trama golpista sob suspeita.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros