Quinta-Feira, 28 de Maio de 2020, 08h:40

Tamanho do texto A - A+

Educação online: um passaporte para o futuro

Por: LORENA LACERDA

Reprodução

LORENA LACERDA

Que a internet é praticamente infinita, todo mundo já sabe. Inclusive, atualmente, ela está repleta de notícias sobre o novo coronavírus (Covid-19), vídeos sobre o que fazer durante o período de isolamento social, leituras sobre saúde e mercado econômico-financeiro até memes hilariantes. E eis que em meio a esse turbilhão de conteúdos que você tem acesso todos os dias surge uma oportunidade legítima: ampliar seus estudos sem sair de casa.

Sem dúvidas, a invenção do WWW (World Wide Web) na década de 1990 serviu como porta de entrada para a educação online e o surgimento de novos formatos pedagógicos. No entanto, recentemente, os cursos e programas online reivindicaram oficialmente seu lugar como o futuro da educação acessível. Mesmo assim, questões envolvendo sua definição, estrutura e entrega dos conteúdos ainda causam certa inquietude. É preciso quebrar paradigmas.

Com a tecnologia, abriu-se a possibilidade de alcançar mais alunos com os novos recursos disponíveis. Mas, essa mudança de cenário trouxe alterações que nem todos conseguiram entender. Um deles diz respeito ao papel do professor no processo de ensino-aprendizagem – uma vez que a educação online exige profissionais tecnologicamente preparados para a concepção e realização de atividades virtuais.

Docentes que trabalharam por muitos anos com estratégias tradicionais, mesmo com experiência conceitual, podem ter encontrado dificuldades na transição para o online. Contudo, tal quadro vem sendo minimizado ao longo dos anos, conforme avança a atualização desses profissionais perante as novas estratégias e práticas educacionais. O que não muda é o carisma e a capacidade deles em motivar os alunos para a execução de tarefas que lhes permitam adquirir o conhecimento.

Outro ponto se refere ao conceito de que a educação online é mais simples, pois é possível – em certos casos – controlar o tempo dedicado ao aprendizado. Isso é um equívoco. Essa modalidade provou ser muito mais exigente em termos de tempo, concentração, requisitos cognitivos e objetivo metacognitivo, já que tem a grande vantagem de possuir recursos como a internet.

Hoje, pode-se afirmar que a educação online não é mais tendência: é realidade. Ela alcançou seu posto, inclusive, dentro do universo da educação executiva, que vem ganhando cada vez mais adeptos no online. Ela surge como opção para quem está entrando na força de trabalho e quer mais habilidade e credenciais para preencher seu currículo, para quem procura aumentar as habilidades no início ou fim de sua carreira ou para quem deseja mudar completamente de carreira.

Em Mato Grosso, o Grupo Valure – empresa de consultoria em inteligência em gestão e desenvolvimento de lideranças – segue firme rumo ao online. Isto, seja com programas próprios ou por meio da parceria com a StepU, empresa digital, cujo modelo privilegia a inovação e a aplicação de novas tecnologias nas atividades de aprendizagem e desenvolvimento profissional. 

Independentemente de qual seja o seu motivo, seja o protagonista da sua história! Invista em conhecimento e carimbe seu passaporte para o futuro: afinal, educação online é educação.

 

 

(*) LORENA LACERDA é palestrante, Coach de Executivos e Times, Mentora de Liderança e Gestão, Presidente do Grupo Valure, associada à Fundação Dom Cabral em MT. 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto