Sábado, 25 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,17
euro R$ 5,61
libra R$ 5,61

Últimas Segunda-feira, 27 de Junho de 2016, 15:52 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 27 de Junho de 2016, 15h:52 - A | A

Prefeitura realiza cadastramento de imigrantes que vivem em Cuiabá

REDAÇÃO

A Prefeitura de Cuiabá promoveu na tarde deste sábado (25), uma ação intensiva para cadastrar os imigrantes que moram na capital. Esta ação deveria ter acontecido no sábado, dia 11 de junho, mas foi transferida em razão dos tumultos ocorridos em Cuiabá e Várzea Grande na noite da sexta-feira(10), inclusive com a queima de ônibus.

 

Marcos Lopes/HiperNotícias

Prefeitura de Cuiabá transparencia e cidadania

 

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento Humano estima que entre 1.500 e 2.000 imigrantes, a grande maioria haitianos, ainda não tenha sido cadastrada e por isso sem acesso aos programas sociais, tanto da prefeitura como do governo federal. Outro problema enfrentado pelos imigrantes é o acesso ao mercado  de trabalho, seja pela falta de qualificação, ou dificuldades para se comunicar em português, falando ou escrevendo.

 

Em acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso, e a Organização de Suporte das Atividades dos Migrantes no Brasil (Osamb), o trabalho de cadastramento foi feito em locais, no centro e em bairros, onde há grande concentração de imigrantes. O secretário municipal de Assistência Social, José Rodrigues Rocha Júnior, visitou alguns dos 10 pontos da cidade onde a ação se desenvolveu.

 

Ele explicou que a prefeitura acatou a sugestão da OAB-MT e da OSAMB indo ao encontro dos imigrantes próximo aos locais onde residem, já que muitos deles estão desempregados, vivendo em condições precárias e até sem dinheiro para o vale transporte. “Eles não podem ficar a margem das ações do poder públicos e nem do acesso as políticas sociais, por isso estamos aqui perto deles para conhecer sua realidade e ajudá-los a se inserirem na rede sócio-assistencial”, disse José Rodrigues Rocha Junior.

 

O cadastramento dos imigrantes foi feito em duas etapas. No primeiro momento eles responderam um questionário sócio-econômico com informações como local e condições como moram,  situação no mercado de trabalho, renda pessoal ou familiar . Em seguida preencheram os dados do Cadastro Único, que permite o acesso ao programas sociais do governo federal, gerenciados pela Prefeitura de Cuiabá.

 

Segundo José Rodrigues Junior, numa próxima etapa as equipes da secretaria irão visitar os imigrantes em suas residências para verificarem as condições como vivem. “Recebemos informações que há casos de extrema penúria, até para se alimentar. Temos que ajudá-los  a sair dessa situação”, acrescentou ele.

 

O vice presidente da a Organização de Suporte das Atividades dos Migrantes no Brasil,  o haitiano Fede Joseph, elogiou a iniciativa da Prefeitura de Cuiabá em fazer o cadastramento nos bairros onde há maior concentração de imigrantes. “Está muito difícil a situação de muitos dos nossos irmãos, principalmente para trabalhar. Alguns até passam fome. Com o cadastramento poderão até conseguir  alimentação”, falou Joseph em tom de lamento.

 

Fede Joseph é também um dos que enfrentam dificuldades no mercado de trabalho, Ele tem 36 anos, é engenheiro civil. Mas só conseguiu trabalhar como topógrafo, uma profissão de nível médio.

 

O vice presidente da OSAMB calcula que hoje existam cerca de 4 mil haitianos em Mato Grosso. Já foram mais de 5 mil, segundo Joseph. Neste sábado ele foi um dos orientadores dos conterrâneos no posto de cadastramento instalado no Centro Comunitário do bairro Jardim Leblon. No bairro existe uma das maiores concentrações de imigrantes, onde vivem cerca de 300 haitianos.

 

Uma das primeiras a chegar ao posto de cadastramento foi Dieuvela Gustin. Com a filha Giovana, de 5 meses, ela respondeu aos dois questionários. Dieuvela está no Brasil há 3 anos e trabalha numa distribuidora de medicamentos no Coxipó, como conferente, ganhando salário mínimo. O marido está desempregado.  

 

Ainda com dificuldades para se expressar em português, ela diz que gosta muito de Cuiabá, mas queixou-se do preço da alimentação. “Tudo subiu muito. Quase tudo o que ganho vai para a comida”, afirmou.

 

Quem perdeu a oportunidade de se cadastrar neste sábado poderá fazê-lo entre terça e sexta-feira da próxima semana, mas somente no Museu Histórico e Geográfico de Mato Grosso, localizado na Praça da República. Os CRAS administrados pela Secretaria de Assistência Social e Desenvolvimento Humano continuam fazendo o Cadastro Único rotineiramente.

 

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros