Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2020, 16h:20

Tamanho do texto A - A+

Ralf Leite afirma que sofre injustiça, mas está tranquilo sobre afastamento da Câmara

Por: RAYNNA NICOLAS

O suplente de vereador Ralf Leite (MDB) afirmou que pediu ao presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Misael Galvão (PTB), para que suspendesse os efeitos de sua posse. Ralf voltou à cadeira de vereador, no início do mês de setembro, depois de 11 anos afastado do cargo. No entanto, o parlamentar vive um impasse judicial, já que teve seus direitos políticos suspensos em dezembro de 2019.

Mayke Toscano/HiperNotícias

Ralf Leite

 

"Eu solicitei ao presidente para que tornasse sem efeito minha posse até que isso se resolva. Eu estou tranquilo quanto a isso", afirmou.

Ao HNT/HiperNotícias, o vereador disse ainda que está acostumado com injustiças e que está tranquilo em relação à sua curta atuação na Casa de Leis da Capital. 

"Estou acostumado com injustiças, sou um cidadão de bem, quem conhece sabe. No curto tempo fiquei na Câmara já ajudei muito Cuiabá mostrando que a oposição na Câmara Municipal é insignificante e que eles só atrapalham o desenvolvimento de Cuiabá em busca de holofotes", disparou Ralf. 

No dia 9 de setembro, os vereadores Felipe Wellaton e Diego Guimarães, opositores de Ralf, encaminharam um ofício à Presidência da Câmara Municipal de Cuiabá, alegando que o suplente de vereador teria se utilizado de uma manobra para tomar posse, após um pedido de licença do vereador Chico 2000 (PL). 

Ralf teve os direitos políticos suspensos em dezembro de 2019, em um processo que o condenou pela prática de nepotismo durante autação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

Os opositores, no entanto, alegam que Ralf Leite se utilizou de uma brecha na legislação já que, em ano de eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não efetua o lançamento de novas inscrições de suspensão de direitos políticos, em prazo de aproximadamente 150 dias antes do pleito.  

Em sessão plenária, na quinta-feira (10), Ralf rebateu a oposição e disse estar pronto para somar com os novos pares.

O suplente também relembrou o caso em que Felipe Wellaton foi acusado pela prática de supostas "rachadinhas", esquema no qual funcionários devolvem parte de suas remunerações para os parlamentares. 

"Eu tô muito tranquilo, vocês são dois vereadores insignificantes que não apresentaram nenhum projeto de relevância. Um é batedor de carteira e quer tomar a Prefeitura com base em fake news", comentou. 

Decisão judicial

Na sexta-feira (18), a juíza da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, Celia Regina Vidotti, determinou o afastamento de Ralf Leite de suas funções na Câmara Municipal de Cuiabá, após recomendação do Ministério Público Estadual (MPMT). 

LEIA MAIS: Justiça determina que Ralf Leite se afaste imediatamente de cargo de vereador

A magistrada, no entanto, contradisse os vereadores Felipe Wellaton e Diego Guimarães e informou que a suspensão de direitos de Ralf tinham sido devidamente informadas ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e à Justiça Eleitoral. 

Nesta segunda (21), o presidente da Câmara, Misael Galvão, emitiu nota afirmando que acatou a recomendação do MPMT e que o decreto legislativo que estipula a nulidade da posse de Ralf Leite deve circular em Diário Oficial na próxima terça-feira (22). 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1