Domingo, 19 de Maio de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,11
euro R$ 5,55
libra R$ 5,55

Polícia Quarta-feira, 15 de Maio de 2024, 08:18 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Quarta-feira, 15 de Maio de 2024, 08h:18 - A | A

COM MATA-LEÃO

Antes de morrer, professor passou em conveniência e comprou cerveja para adolescente que o matou

O adolescente afirmou à Polícia que pegaram um galão com combustível para queimar os restos mortais de Celso. Contudo, ainda não ficou comprovado se os o corpo foi queimado. As autoridades dependem do laudo de necropsia que ficará pronto em até 30 dias

SABRINA VENTRESQUI
Da Redação

O delegado Roberto Amorim, que chefiou as investigações do desaparecimento do professor Celso Odinir Gomes, afirmou que o professor e o menor de idade que o matou estiveram numa conveniência momentos antes do crime. Celso teria comprado uma cerveja ao adolescente na ocasião.

LEIA MAIS: Adolescentes confessaram participação em morte de professor encontrado nesta sexta

“O professor e ele passaram na conveniência, comprou cerveja e deu para ele. Mas só os dois”, contou o delegado do Núcleo de Pessoas Desaparecidas da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), nesta terça-feira (14). 

De acordo com Amorim, a narrativa feita pelo menor é a versão mais aceita pelas autoridades. Em depoimento, ele contou que o professor tentou aliciá-lo e então ele o matou com um mata-leão.

Em seguida, chamou um amigo, também adolescente, para ajudá-lo a desovar o corpo em uma região de mata atrás do bairro Parque Atalaia, em Cuiabá, perto da Lagoa Trevisan. 

“A história do menor é a mais correta. Ele foi lá, o professor tentou aliciar e ele matou. Chamou o colega para ajudar a desovar o corpo”, disse o delegado Roberto Amorim. 

Os menores afirmaram à Polícia que pegaram um galão com combustível para queimar os restos mortais de Celso. Contudo, ainda não ficou comprovado se o o corpo foi queimado. As autoridades dependem do laudo de necropsia feito pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), que será concluído em até 30 dias.

“Tudo leva a crer que Celso foi carbonizado, mas só a perícia que vai comprovar”, pontuou Amorim.

O comparsa do menor que matou o professor afirma que não teve participação no homicídio ou ocultação de cadáver. Às autoridades, ele disse que só ficou vigiando o carro enquanto o amigo escondia os restos mortais na mata.

LEIA MAIS: Adultos presos por suspeita de envolvimento na morte de professor são liberados

RELEMBRE O CASO

O professor de matemática Celso Odinir Gomes, de 60 anos, desapareceu na sexta-feira, 3 de maio, quando estava a caminho de sua chácara em Santo Antônio de Leverger (33 km de Cuiabá). Uma semana depois, o corpo foi encontrado nu e em avançado estado de decomposição em um matagal afastado da cidade, aos fundos do bairro Parque Atalaia, perto da Lagoa Trevisan.

Quatro pessoas foram detidas, sendo dois maiores de idade e dois menores. Os maiores foram liberados no mesmo dia depois que a polícia não encontrou indícios de que eles participaram do crime. No entanto, os adolescentes permanecem apreendidos.

Clique aqui  e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros