Domingo, 16 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,38
euro R$ 5,76
libra R$ 5,76

Mundo Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 12:30 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 12h:30 - A | A

UE aprova acordo para utilizar lucros de ativos russos congelados para ajudar a Ucrânia

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

O Conselho Europeu anunciou nesta terça-feira, 21, que a medida para utilizar lucros de ativos russos imobilizados para ajudar a Ucrânia foi aprovada pelos países-membros da União Europeia (UE). Segundo comunicado oficial, cerca de 10% dos recursos serão detidos pelo órgão regulador do bloco para cumprir requisitos legais de capital e gerenciamento de risco, enquanto o valor restante será direcionado para suporte de defesa e reconstrução ucraniana.

Entre os recursos de suporte, o conselho relatou que 90% do valor será direcionado para o "Mecanismo Europeu para a Paz", responsável por reembolsar países europeus pelas armas e munições que enviam à Ucrânia. Outros 10% serão direcionados para o orçamento da UE e programas que impulsionem a indústria de defesa ucraniana ou ajudem na reconstrução do país no pós-guerra.

A UE detém aproximadamente 210 bilhões de euros (US$ 225 bilhões) em ativos do BC da Rússia, a maioria congelada na Bélgica, em retaliação à guerra de Moscou contra a Ucrânia. Ela estima que os juros sobre esse dinheiro podem fornecer cerca de 3 bilhões de euros (US$ 3,3 bilhões) por ano.

Conforme o comunicado, a medida aprovada nesta terça-feira será aplicada sobre os lucros acumulados desde 15 de fevereiro de 2024 e será reavaliada anualmente, com a primeira revisão marcada para antes de 1º de janeiro de 2025.

No fim de semana, a Rússia apreendeu mais de 700 milhões de euros (US$ 759,8 milhões) em ativos pertencentes a três bancos ocidentais - UniCredit, Deutsche Bank e Commerzbank - de acordo com documentos judiciais, em aparente retaliação pelo acordo preliminar alcançado pela UE no início deste mês. *Com informações da Associated Press.

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros