Quinta-Feira, 26 de Março de 2020, 10h:17

Tamanho do texto A - A+

Temendo o coronavírus, palestinos se dizem seguros isolados em Gaza

Por: CONTEÚDO ESTADÃO

"Pela primeira vez sinto uma sensação de segurança em Gaza, mas acho que vai durar pouco". Shadi Balbisi, engenheiro de 33 anos, é um dos 2 milhões de palestinos que vivem na faixa entre Egito, Israel e o Mar Mediterrâneo e precisam enfrentar a pandemia do novo coronavírus.

Para Balbisi, o fato de viver em um lugar "isolado" há mais de dez anos por conta do bloqueio econômico pode ajudar a conter a disseminação da doença, mas a preocupação dele é justamente se ela se espalhar. "Aqui há falta de equipamento médico e desinfetantes em razão do bloqueio de Israel. Sentimos um segurança pelos motivos errados."

Desde 2007, Israel mantém um bloqueio ao enclave palestino com a ajuda do Egito sob a justificativa de ser o necessário para conter o Hamas, grupo que controla Gaza e é considerado pelo governo israelense e outros países ocidentais, como os Estados Unidos, uma organização terrorista.

Na Cisjordânia, a chegada do novo coronavírus também mudou costumes. "As notícias começaram aqui em Belém em 5 de março e, desde então, eu decidi ter meu próprio esquema de isolamento. Deixei a cidade e passo a maior parte do meu tempo trabalhando no campo", diz o guia turístico palestino Hassan Muamer.

Com a atividade turística paralisada, o guia foi com a família para uma região de montanhas a 13 quilômetros de Belém e começou a cultivar alguns legumes para tentar resistir aos meses de confinamento. "As principais ruas da cidade foram bloqueadas então ficamos sem acesso, exceto em casos de emergência. Mas aqui no campo, os fazendeiros têm melhores recursos para passar por essa fase."

Muamer conversa com os amigos e parentes pelo WhatsApp e ligações telefônicas. Ele explica que acompanha a situação no resto da Cisjordânia pelas notícias e, em Gaza, pelos amigos. "Parece que estamos enfrentando uma nova ocupação, essa é a sensação."

Na Cisjordânia, foram confirmados 57 casos do novo coronavírus e uma morte, ocorrida nesta quarta-feira, 25. Em Israel, foram confirmados 945 casos e uma morte.

"A outra parte difícil é que Israel não atua como nosso governo. Eles não anunciaram nenhuma situação de emergência até os casos começarem a aumentar muito. Agora estamos com medo de quantos casos podem chegar aqui", afirma Muamer.

Em nota, Israel afirma que, em conjunto com a Autoridade Palestina (AP) - que governa a Cisjordânia - está coordenando medidas para minimizar a propagação da xovid-19. "Israel está fornecendo kits de proteção (como máscaras e roupas), kits de teste e workshops de treinamento para equipes médicas palestinas", diz a nota.

"O coronavírus não faz distinção entre pessoas e fronteiras", afirma o cônsul de Israel em São Paulo. Alon Lavi. "A AP é muito séria com isso (tema do coronavírus), veem como uma ameaça de verdade e a gente tem uma política para enfrentar essa nova realidade. Israel trabalha e ajuda a AP", completa.

(Com Agência Estado)
Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei