Sexta-feira, 19 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,58
euro R$ 6,09
libra R$ 6,09

Mundo Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 18:00 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, 18h:00 - A | A

Rússia convoca embaixadora dos EUA após ataque ucraniano: 'Tem que ter consequências'

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

A Rússia acusou nesta segunda-feira, 24, os Estados Unidos de "matarem crianças russas" e ameaçou represália um dia após um bombardeio ucraniano na Crimeia realizado, segundo Moscou, com mísseis americanos. Em reação ao ataque, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia também convocou a embaixadora americana na capital russa para consultas.

"É evidente que a participação dos Estados Unidos nos combates, a sua participação direta, que leva à morte de cidadãos russos, tem que ter consequências", declarou o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, que pediu aos jornalistas que perguntem na Europa e nos Estados Unidos "por que seus governos matam crianças russas".

Segundo Moscou, a Ucrânia não consegue realizar sozinha ataques com mísseis de longo alcance ATACMS, como o que foi utilizado no domingo, 23, na Crimeia, já que são necessários especialistas, tecnologia e dados da inteligência americana.

Segundo o Exército russo, as forças ucranianas dispararam cinco mísseis ATACMS no domingo e quatro deles foram derrubados perto de Sebastopol, cidade portuária que abriga o quartel general da Frota russa no Mar Negro. Pelo menos quatro pessoas morreram, entre elas duas crianças, e mais de 150 ficaram feridas, segundo as autoridades locais estabelecidas pela Rússia.

Washington e países europeus começaram a autorizar Kiev a empregar armas ocidentais para atacar alvos militares em territórios russos utilizados para bombardear a Ucrânia. O presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou no início deste mês entregar armas equivalentes a inimigos das potências ocidentais para que atinjam seus interesses em outras regiões do mundo.

Washington "tornou-se efetivamente parte" na guerra do lado da Ucrânia, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em um comunicado divulgado nesta segunda-feira, acrescentando que havia convocado Lynne Tracy, embaixadora dos Estados Unidos em Moscou, para informá-la sobre "medidas de represália".

Para a Ucrânia, os alvos militares na Crimeia e no interior da Rússia são legítimos, especialmente porque as forças ucranianas estão sob pressão na frente devido à escassez de homens e armas que Kiev está sofrendo. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros