Quarta-feira, 19 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

00:00:00

image
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

00:00:00

image
dolar R$ 5,43
euro R$ 5,84
libra R$ 5,84

Mundo Terça-feira, 30 de Outubro de 2018, 14:39 - A | A

facebook instagram twitter youtube whatsapp

Terça-feira, 30 de Outubro de 2018, 14h:39 - A | A

Funcionários do Google organizam protesto contra assédio sexual na empresa

CONTEÚDO ESTADÃO
da Redação

Mais de 200 funcionários do Google estão planejando um protesto para esta quinta-feira, 1º, em resposta à má conduta da empresa com casos de assédio sexual, revelada por uma reportagem do jornal The New York Times na semana passada. A notícia é do site Buzzfeed News.

Os funcionários se reuniram em um fórum interno no fim de semana, em que demonstraram seu descontentamento com as posturas da empresa e tiveram a ideia de organizar um protesto.

A reportagem que deixou os funcionários revoltados revelou que o Google foi conivente com casos de assédio sexual: quando o criador do Android, Andy Rubin, deixou a empresa em 2014 após ser acusado de assédio sexual por uma funcionária, o Google lhe pagou US$ 90 milhões na rescisão. Tudo isso depois que uma investigação da empresa concluiu que as acusações contra Rubin eram verdadeiras.

Além disso, o The New York Times informou sobre dois outros executivos que o Google protegeu durante a década passada de acusações de assédio sexual. Nestes dois casos, a empresa realizou demissões, mas também pagou milhões de dólares sem nenhuma obrigação legal. Em todas às vezes, o Google se manteve em silêncio sobre as acusações.

Após a reportagem do The New York Times, Sundar Pichai, presidente executivo da empresa, declarou que o Google demitiu 48 pessoas por assédio sexual nos últimos dois anos.



Tags:Google

(Com Agência Estado)

Clique aqui e faça parte no nosso grupo para receber as últimas do HiperNoticias.

Clique aqui e faça parte do nosso grupo no Telegram.

Siga-nos no TWITTER e acompanhe as notícias em primeira mão.

Comente esta notícia

Algo errado nesta matéria ?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros